Enquete para escolha do modelo do lenço no Uniforme Feminino.

10 11 2010





Programa JA – Amizade Colorida

21 07 2009

16h30- Louvor Congregacional –

É Motivo de Alegria – Cd Jovem 2006 – Sou de Jesus

Você pode ter amigos – Cd Jovem 2008 – Vivo por Jesus

Descobrindo Amigos – Cd Jovem 2007 – Vencedor cada dia

16h40´- Abertura – Jogral “Grande Amigo”

Boas-Vindas – Congregacional – Ser

Amigo – Cd Jovem 2005 – Fiel a toda prova

Oração –

16h47´- Louvor –

16h50´- Amizade Colorida – Parte I –

Parte II –

16h55´ – Lição da Escola Sabatina (Introdução) –

17h – Louvor –

17h05´- Você conhece seu Amigo? –

17h15´- Louvor –

17h20´- Amizade Colorida –

Parte III –

Parte  IV –

17h27´- Congregacional – Achei um Grande Amigo – HASD n 88

# Abertura

Materiais:

5 folhas coloridas, cada uma com uma letra da palavra A M I G

O em uma fonte diferente;

5 folhas coloridas, cada uma com uma letra da palavra J E S U

S em uma fonte diferente;

5 pessoas para apresentarem o jogral (material humano! rsrs)

Apresentação: Os participantes iniciarão a apresentação segurando o nome AMIGO a mostra e o nome JESUS por trás, ao tempo determinado do jogral inverterão a posição de seus papéis deixando a mostra o nome JESUS.

Jogral:

1- O que falar sobre um amigo?

2- É difícil falar e fácil sentir

3- Jamais esquecemos de um grande amigo

4- O guardamos sempre no coração

5- Não fazemos amigos…

Todos- Os reconhecemos nos caminhos da vida!

1 e 2- Está conosco nos momentos difíceis

3 e 4- Enxuga nossas lágrimas

5 e 1- Provoca o sorriso

Todos- Semeia a alegria!

2 e 3- Conversas e conselhos

4 e 5- Discussões e perdões

Todos- São tantas emoções!

1, 3 e 5- Você conhece alguém assim?

2 e 4- Que não se preocupa em se doar?

1- Que está contigo toda hora?

2- Que sempre quer o seu bem?

3- Que quer estar ao seu lado

4- Custe o que custar!

5- Amigo é aquele que entra (a mudança da palavra AMIGO para JESUS)

Todos- Quando todo o mundo sai!

# Você Conhece Seu Amigo?

É uma atividade onde os irmãos demonstrarão, através de perguntas feitas pelo apresentador, seus conhecimentos sobre seus amigos. Claro que já estará previamente realizadas as perguntas a ambos, sem eles saberem, e as respostas serão vistas no Power Point. Muito Legal, você precisa ver as feições quando erram ou acertam.

# Amizade Colorida

Parte I

Ah, Amizade…! Você já pensou como seria sua vida sem amizade? Seria uma vida sem graça, sem emoção, sem brilho, sem cor. Você já imaginou como seria sua vida sem as cores?  Tudo na maior monotonia… deprimente não? Assim é a vida sem amizade. Muitos são os que comparam a amizade com as cores, com o colorido, hoje vamos aprender alguns tipos de amizades coloridas.

Amizade Azul

O Azul é a cor do céu, do espírito e do pensamento. Simboliza a lealdade, a fidelidade, a personalidade e subtileza. Como amigos devemos ser leais e fiéis, jamais devemos deixar desamparado um amigo. Quando formos amigos de verdade estaremos juntos em todos os momentos.

O Nosso Grande Amigo Jesus é leal e fiel, jamais nos desamparou e está conosco todo o tempo: “e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” Mateus 28.20

Amizade Rosa

O Rosa significa beleza, saúde, sensualidade e também romantismo.  Essa é a amizade entre um homem e uma mulher. Apesar de muitos dizerem que não existe amizade entre sexos opostos, os melhores romances (amores) surgiram de uma amizade. Deve ser por isso que quando há uma amizade entre sexos opostos a chamam de amizade cor-de-rosa.

O Nosso Grande Amigo Jesus quer sempre o nosso bem, se preocupa com nossa saúde, afinal fomos feitos a sua beleza, e também como nos relacionamos:

“Amados, amemo-nos uns aos outros; porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus.” I João 4.7

Parte II

Amizade Roxa

O Roxo significa prosperidade, nobreza e respeito, também lembra excesso, devoção. Deve ser por isso que quando queremos dar idéia de excesso dizemos:

“tenho uma amizade roxa…” ou “sou cristão roxo…”

O Nosso Grande Amigo Jesus nos quer bem. O Seu desejo é que sejamos os príncipes da Nova Canaã de ruas de ouro e portas de pedras preciosas, mas toda essa riqueza não vale nada diante do valor de estarmos junto do Nosso Grande Amigo para sempre:

“Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu

filho.” Apocalipse 21.7

Amizade Vermelha

O Vermelho é a cor da paixão e do sentimento. Simboliza o amor, o desejo.

Assim tudo que é vermelho chama a atenção, um carro, uma camiseta, uma fruta… Geralmente é a amizade pai/mãe e filho, onde prevalece o amor.

O Nosso Grande Amigo Jesus é de um sentimento enorme! Além de ser nosso Criador, nos amou de tal maneira a ponto de vir a Terra sofrer tudo que sofremos para nos salvar, pelo simples desejo de ter a nós pecadores (seus filhos) ao Seu lado. Viveu, sofreu, venceu. E a maior prova de Sua paixão foi a morte na cruz.

Eu não sei que tipo de amigo é você, se seu amigos podem confiar em você ou não, mas sei que há um amigo em que podemos confiar.

Quer ser um bom amigo? Que tal espelhar-se em Cristo? Este amigo jamais falhou e foi capaz de dar a vida pelos seus amigos:

“Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.” João 15.13

Enviado para a CDJA por: Jonatas Silva dos Santos  – IASD Jd. Lobato em Salvador/BA





SOJA 2009 – SEM DEUS…

16 06 2009

Quarta – Semana de Oração Jovem

SEM DEUS…

(Objetivo: Enfatizar o desafio número 4 – Não se levantar sem primeiro se ajoelhar. Cada manhã, conversar primeiro com Jesus. Antes de se levantar, dobrar os joelhos entregando-se a Jesus mais uma vez, para terminar o dia em pé, isto é, vitorioso. Levar cada um a uma decisão de passar mais tempo em meditação com Deus.) Essa será uma semana de formação de hábitos espirituais.

INTRODUÇÃO

Sem energia o ferro elétrico não passa roupa; sem energia a luz não acende; sem energia a batedeira não faz bolo; sem energia no liquidificador não se faz vitamina; sem energia, o aparelho de som vira aparelho sem som; sem energia o computador não funciona. Sem energia, todos os aparelhos elétricos do planeta perdem suas funções, não prestam para quase nada.

1. LOUCOS E DOIDOS

Lucas 12:15-20.

É uma grave acusação chamar alguém de louco. Mas Jesus foi bem claro quando confirmou a loucura de quem vive só para si. Aqueles que pensam só nos bens terrenos são loucos. Os que só vivem satisfazendo seus próprios desejos egoístas são doidos. Como é possível alguém viver sem Deus e achar que terá sucesso verdadeiro?

Quantos seres humanos somente passam pela vida. Correm, comem, bebem, satisfazem seus desejos e morrem. São como animais, não tem consciência da existência do Criador. Vivem sem Deus. Por isso, logo falta a eles a energia, a realização e o cumprimento do propósito divino de brilharem por Jesus.

2. BATERIAS DESCARREGADAS

Há pessoas que não negam a existência de Deus. São seres humanos que se dizem cristãos, mas não seguem a Cristo. Vão à igreja e oram algumas vezes, mas buscam a Deus somente nas crises. Não há maneira de ser um seguidor, sem seguir, estar sempre junto do guia. Não há possibilidade de brilhar sem estar constantemente conectado à fonte de energia. Precisamos de energia espiritual para manter nossas “lâmpadas” acesas.

Vamos ler S. Mateus 25:1-8. As 10 virgens são os que professam a fé pura de Jesus e crêem na Sua Volta. Entre elas, as virgens que não recarregavam suas lâmpadas representam cristãos que querem viver sem comunhão com Deus. São as 5 virgens “loucas”.

Mateus 25:11 e 12. O verso 12 fala de uma triste verdade. Jesus não conhece quem não se comunica com Ele. Todos os dias, precisamos recarregar nossas “baterias espirituais”, para, cheios de “energia”, brilharmos intensamente por Jesus.

3. O SUPREMO EXEMPLO

Vamos ler alguns textos sobre um saudável e importantíssimo costume que deveríamos desenvolver. “Sexta-feira, 20 de março [1896], levantei-me cedo, por volta das três e meia da madrugada. Enquanto escrevia sobre o décimo quinto capítulo de João, de repente me sobreveio maravilhosa paz. O quarto todo parecia estar repleto da atmosfera do Céu. Parecia haver no quarto uma santa e sagrada Presença. Depus a pena e fiquei em atitude de expectativa, para ver o que o Espírito iria dizer-me. Não vi pessoa alguma. Não ouvi nenhuma voz audível, mas um Observador celestial parecia estar bem perto de mim; percebi que me encontrava na presença de Jesus.” Mensagens Escolhidas, vol 3, 35.

Ellen White em sua meditação de madrugada, percebeu estar na presença de Jesus. Podemos aprender com o exemplo de Jesus. Ele não tinha maior necessidade de orar do que nós. Mas se Ele gastava tanto tempo em meditação, nós precisamos muito mais.

“Jesus estudou as Escrituras na infância, na juventude e na fase adulta. Como criança, aos joelhos de Sua mãe, do rolo dos profetas recebia diariamente instruções. Em Sua juventude, a madrugada e o crepúsculo vespertino muitas vezes O encontravam sozinho ao lado da montanha ou entre as árvores da floresta, passando uma hora silenciosa de oração e estudo da Palavra de Deus.” Educação, 185.

O nome Jesus significa “Deus é a sua salvação” e é justamente isso que Ele quer oferecer a todos os que O buscam. “Findara o longo dia cheio de agitação, e Jesus buscou repouso. Mas, enquanto a cidade se achava imersa no sono, o Salvador “levantando-Se de manhã muito cedo, estando ainda escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava”. Mar. 1:35. A Ciência do Bom Viver, 30.

“O dia todo atendia às multidões que iam ter com Ele e, ao anoitecer, ou bem cedo de manhã, retirava-Se para o santuário das montanhas em busca de comunhão com o Pai.” A Ciência do Bom Viver, 55.

“Nós também temos de ter um tempo para a meditação e oração, e para receber conforto espiritual. Não apreciamos como devíamos o poder e eficácia da oração. A oração e a fé farão o que nenhum poder da Terra conseguirá realizar.” A Ciência do Bom Viver, 509.

Mesmo antes do pecado, Adão e Eva, no Jardim do Éden, faziam 3 importantes atividades: “Uma parte do tempo deles deveria ser gasto na prazenteira tarefa de cuidar do jardim, outra parte recebendo a visita dos anjos, ouvindo suas instruções, e estando em feliz meditação. Suas atividades não eram cansativas, antes agradáveis e revigorantes.” Signs of the Times, 9 de janeiro de 1879.

Nos dias de hoje, o Inimigo está trabalhando de todas as formas para nos impedir de buscarmos a Deus em feliz meditação.

“Satanás está ativamente em operação em nossas cidades populosas. Sua obra é observada na confusão, na luta e discórdia entre o capital e o trabalho, bem como na hipocrisia que penetrou nas igrejas. Para que os homens não tenham tempo para meditação, Satanás os leva para uma rotina de frivolidades e busca de prazeres, de comidas e bebidas. Enche-os da ambição de se exibirem, para que se exaltem.” Evangelismo, 26.

Por que parece ser tão fácil cair em pecado?

“Por que é que nossos jovens, e mesmo os de mais idade, são facilmente induzidos à tentação e ao pecado? – É porque a Palavra de Deus não é estudada e meditada como devia ser. Fosse ela apreciada, haveria uma retidão interior, um poder de espírito que resistiria às tentações de Satanás para o mal. Firme e decidida força de vontade deixa de se introduzir na vida e caráter, porque as sagradas instruções de Deus não se tornam objeto de estudo e de meditação. Não se faz o esforço que devia ser feito para dirigir o espírito aos pensamentos puros e santos, desviando-o do que é impuro e falso.” Fundamentos da Educação Cristã, 132.

“Agora é o tempo de vigiar e orar, de afastar toda condescendência própria, todo orgulho, todo egoísmo. Os preciosos momentos que por muitos são agora mais do que desperdiçados deveriam ser passados em meditação e oração.” Meditação Matinal – Maranata, 37.

“Devem os jovens estudar a Palavra de Deus e entregar-se à meditação e à oração, e acharão que seus momentos vagos não poderão ser melhor empregados.” Meditação Matinal, 69.

Vamos conferir agora os assuntos para nossa comunhão com o Senhor Deus: “O fato de nos acharmos no mundo de Deus, em presença do Criador; o fato de sermos feitos à Sua imagem; de que Ele olha por nós, nos ama e cuida de nós – eis maravilhosos temas para o pensamento, e que levam a mente a amplos e exaltados campos de meditação. Aquele que abre a mente e o coração a temas como esses, jamais ficará satisfeito com assuntos triviais, sensacionalistas.” Mensagens aos Jovens, 283.

CONCLUSÃO

Tempo para Deus. Tempo para orar. Começar o dia, conectados com nosso Senhor. Buscar comunhão e meditação, refletir a imagem divina em nossa vida. É essa nossa urgente necessidade. Como está sua vida de oração?

“Quanto amo a Tua lei! É a minha meditação, todo o dia!” Sal. 119:97.

Sem Deus não há felicidade permanente. Sem Deus não há significados e propósitos altruístas.

Sem Deus andamos, comemos e bebemos como animais. Como está a sua amizade com Jesus?

Com Deus, somos Sua imagem e semelhança. Com Deus, há solução para qualquer problema.

Com Deus, há esperança radiante no futuro. Com Deus, há verdadeira alegria e realização. Sem Deus não vivemos, apenas vegetamos.

Sermão preparado pelo Pr. Udolcy Zukowski

Diretor do Ministério Jovem

União Este Brasileira





Ideais dos Jovens Adventistas em Power Point

23 04 2009

Os Jovens do Distrito de Matinhos no Paraná ASP/USB, produziram esse Power Point, apresentando os Ideiais do Jovens Adventistas (Lei, Voto, Alvo, Proposito, Objetivo, Voto à Bíblia).

ideais JA

Clique aqui para Baixar

Fonte: http://pontalmaster.blogspot.com





Missão do Ministério Jovem

1 02 2009

ja_desenho-brancoEnfoque primordial do MINISTÉRIO JOVEM , salvação em CRISTO JESUS.

“Trabalhar em favor dos jovens, promovendo companheirismo e fortalecimento espiritual, capacitando-os para o serviço da igreja e comunidade”.

Nossa tarefa :

=> Conduzir os jovens à compreensão de seu valor individual, e a descobrirem seus dons e capacidades espirituais.
=> Equipá-los e capacitá-los para uma vida de serviço na igreja e na comunidade.
=> Assegurar a integração dos jovens em todos os aspectos da vida e liderança da igreja a fim de que possam participar plenamente na missão da igreja.
=> Entendemos que o MINISTÉRIO JOVEM é para, com e a favor dos jovens no contexto da igreja como família.
=> Afirmamos que um ministério equilibrado incorporará as dinâmicas bíblicas do companheirismo, fortalecimento espiritual, culto e missão.
=> Encontramos inspiração na PALAVRA DE DEUS. em nossa história e temos fé em Deus quanto ao futuro.
=> Nossa filosofia encontrará expressão em uma ampla variedade de programas e estilos de ministérios ordenados por Deus.

NOSSOS VALORES

Nossos Jovens Nossa primeira responsabilidade é com os nossos jovens que devem receber nosso apoio e orientação para firmar sua fé em Jesus como seu Salvador pessoal, e usarem seu potencial para Cristo.

Nossos pastores Reconhecemos nossos pastores como um valioso recurso e apoio, e respeitamos suas habilidades ao atuarmos de maneira harmoniosa na salvação dos jovens.

Nossa Comunidade Desenvolveremos atividades para melhorara qualidade de vida da comunidade mais próxima de nossa igreja. Apoiaremos também iniciativas de outras organizações de caráter civil.

Nosso Futuro Procuraremos manter elevado os ideais do Departamento JA afim de proporcionar programas que capacitem a Sociedade JA local a ser uma verdadeira ferramenta pra melhorar o nível do ministério jovem no cuidado da juventude.

Nossa Igreja Apoiamos, defendemos e aceitamos os valores ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia, em seu trabalho de salvar os jovens e prepará-los para a missão da igreja.

Nosso Deus Adoramos a Deus ao demonstrar amor e carinho através do ministério a favor dos jovens.

Autor: Pr.Paulo Reis





6 Tendências Culturais e o Ministério Jovem

1 02 2009

delaware_placa_6_3A igreja e seu ministério não funcionam isolados. Sem perder de vista sua missão de contracultura, a igreja deve ministrar com o conhecimento das tendências culturais e de seu efeito sobre os jovens. Donald Posterski, sociólogo, pesquisador, autor e analista de jovens e da cultura, identifica seis tendências culturais que influenciam, significativamente, os jovens de hoje.

A tendência do organizacional ao pessoal.

A lealdade institucional já não existe; a liberdade pessoal é o que predomina. A tecnologia permite-nos escolher o que quer que seja – de refeições ligeiras a computadores velozes. O VCR permite-nos assistir ao que queremos, quando queremos e com quem queremos. A Internet oferece informação sobre quase todos os tópicos que desejamos pesquisar. Nesse clima de liberdade de escolha pessoal, a igreja deve conquistar o respeito e a lealdade de seus jovens. Nossa tarefa é convencer cada jovem de que nosso ministério é válido e útil para eles.

A tendência do escrito ao visual.

A maioria de nós que está lendo este material cresceu quando a tecnologia de vídeo estava iniciando (ou não existia). Nossa fonte essencial de informação era o material impresso. Livros e palestras são meramente um meio (e não algo empolgante como era) para a atual fornada de adolescentes onde obtêm a informação de que necessitam. Por exemplo, os CD-ROMs com textos breves, fotos e sons substituíram os longos textos das enciclopédias. Os sempre presentes TV e vídeo divertem enquanto transmitem a informação. O ministério jovem necessita acompanhar o passo dos jovens e a forma como aprendem. É necessário ser visual como também verbal e reconhecer que a mídia desempenha um papel preponderante na vida dos jovens.

A tendência do cognitivo ao afetivo

Muitos de nós fomos criados com uma forte ênfase no conhecimento. Por contraste os jovens de hoje vivem em uma cultura onde o sentimento tem a prioridade, onde o coração tem a prioridade sobre a razão. Para muitos de nossos jovens um toque tem mais poder do que uma idéia persuasiva. Aprender sobre Deus não é suficiente. O jovem de hoje busca na igreja a ajuda para ter uma experiência com Deus no culto e em sua vida.

A tendência da verdade para o relativismo.

O jovem vive em um mundo onde o preto e o branco tornaram-se cinza; o certo e o errado foram reduzidos à experiência e à opinião pessoal. “O que é certo” com muita freqüência torna-se no “O que é certo para mim”. Nosso desafio é ensinar a verdade de Deus de uma forma que ajude o jovem a aplicá-la em uma sociedade cada vez mais complexa. Se o nosso ministério jovem for verdadeiramente relacional, seu objetivo total será sempre levar o jovem Àquele que é a verdade.

A tendência do cristão para o secular.

A sociedade tornou-se pluralista; a voz cristã é agora uma entre muitas. Por isso o cristianismo perdeu muito do poder cultural que uma vez teve; certamente, tornou-se um alvo seguro para a mídia. Nesse ambiente pluralista, o ministério jovem tem maiores possibilidades de encontrar jovens que são cristãos passivos do que jovens ateístas ativos. Enfrentamos o desafio de dar razões convincentes ao cristianismo e de fortalecer a fé onde quer que a encontremos.

A tendência dos papéis sexuais definidos à igualdade dos sexos.

Na geração passada os rapazes e moças tinham uma expectativa claramente definida sobre o que se esperava que fossem – algumas vezes para seu detrimento.

O jovem de hoje tem mais oportunidades e mais escolhas. A amizade entre os sexos opostos já não mais está limitada ao namoro. O ministério jovem eficaz ajudará o jovem a selecionar suas prioridades e a fazer escolhas sábias.

Fonte: CD-ROM Capacitando a sua Liderança – UNEB





10 erros comuns no Ministério Jovem

26 01 2009

1. Definição Indistinta Sobre os Jovens

Uma definição muito vaga sobre os jovens é um problema para muitos ministérios jovens. O ministério jovem deve incluir indivíduos com dez anos de idade ou com dezenove, ou com treze anos, ou após concluir o segundo grau? Essas perguntas não têm respostas absolutas, mas as respostas providas por sua igreja são úteis para orientar os líderes dos jovens. Para que seu ministério jovem seja bem-sucedido, ele necessita ter alguma noção da população a que atende. A congregação pode optar por não ter indivíduos menores (idades 10-12) ou acima de dezoito nesse grupo, porém ela deve incluir esses dois grupos em seu ministério.

2. Confundir Sociedade de Jovens com Ministério Jovem

O ministério jovem não é apenas uma sociedade de jovens. Deve-se lembrar do conceito de guarda-chuva do ministério jovem. Uma única parte do ministério jovem de uma congregação não pode atender as expectativas de todos. De igual forma, um único programa não pode realizar tudo o que deve ser feito no ministério da congregação com/para/pelos jovens. Não importa o tamanho de uma congregação, a sociedade de jovens é apenas uma parte do ministério jovem da congregação.

3. Pensar que o Ministério Jovem É Apenas um Programa

Um terceiro erro comum é a compreensão de que o ministério jovem é apenas um programa. Há pouco, se houver algum, contato ou ministério relacional. O enfoque do ministério é sempre no conteúdo. Os adultos e os jovens não têm contato em outro horário além do das reuniões do ministério jovem. Os adultos não estabelecem um relacionamento com os jovens.

Esse mal-entendido ocorre nas igrejas grandes como também nas pequenas. Na verdade, muitas igrejas grandes sofrem com esse problema quando pagam profissionais que entendem sua função em termos de criar e preparar programas e não em termos mais abrangentes do estar envolvido no ministério. Muitas vezes a dádiva paciente e apoiadora da presença é abandonada por outro programa.

4. Esquecer a Família e o Enfoque da Escola

Outro erro comum é o esquecer-se de que a maior parte da vida dos jovens é controlada pela família e pela escola. É imperativo saber o que está acontecendo e ambas esferas da vida de um jovem. Às vezes, os adultos que trabalham com jovens têm conhecimento do que se passa na família, mas não na escola. Muitas vezes as sociedades que dão ênfase na escola se esquecem do ambiente do lar e não têm idéia do que se passa ali. É importante conhecer o que está se passando na escola, ter contato com a direção e professores e ter contato com os pais. Será bom fazer uma visita à escola e ao lar.

5. Recrutar Voluntários Inadequados

Outro erro é permitir que adultos inadequados atuem como voluntários no ministério jovem. Com muita freqüência o recrutamento de adultos para trabalhar com os jovens ocorre como um convite geral a qualquer pessoa. Embora recrutar adultos seja muitas vezes difícil, muitas igrejas estariam melhor servidas sem uma associação de jovens do que com adultos inadequados liderando o ministério. A igreja necessita manter a supervisão dos adultos que trabalham com/para/pelos jovens. Não queremos dizer de que sejam necessários adultos perfeitos ou adultos que não possam cometer erros, ou crescer em suas habilidades como parte do ministério jovem da congregação, mas sim que necessitamos considerar cuidadosamente os dons e virtudes daqueles que estarão em contato direto com os jovens em cada congregação.

6. Ignorar os Jovens Com Mais Idade

No afã de uma congregação estabelecer uma sociedade de jovens bem-sucedida ou mesmo o ministério jovem, os jovens de mais idade podem ser sacrificados a fim de que a sociedade de jovens possa ser formada em torno dos mais novos, que potencialmente seguirão o programa ao longo dos anos que estão na congregação. Embora essa opção pareça sensível, muitas vezes o que ocorre é que a sociedade de jovens ganha uma reputação de que ela é apropriada apenas aos adolescentes. A compreensão não expressa é de que quando o jovem chega aos dezoito anos e tira sua carteira de motorista, ingressa em um emprego, deixa a sociedade de jovens. Embora algumas vezes útil, ao se estabelecer uma sociedade de jovens para os mais novos, não se deve esquecer ou ignorar os jovens de mais idade. O ministério jovem deve abranger todos os jovens, constituindo-se em erro ignorar os mais velhos.

7. Não Deixar o Jovem Sair

Outro erro comum é não levar a sério o jovem e suas capacidades de liderança. Muitas sociedades de jovens são lideradas por adultos. Esses líderes se esquecem de que um bom ministério é feito com os jovens e pelos jovens. Um bom ministério jovem necessita considerar seriamente os jovens, ouvir sua voz, talvez mesmo dar-lhe voz (voto).

Ainda que muitas vezes seja difícil para aqueles que ocupam posições de liderança no ministério jovem terem suas idéias questionadas, o jovem necessita ter oportunidade de falar, de discordar e de formar e implementar suas idéias. Uma sociedade de jovem bemsucedida formulará um meio de desenvolver os jovens em líderes da sociedade de jovens.

8. Ater-se Demasiadamente à Tradição

Não tenha medo de tentar novas idéias, de realizar novos programas, desenvolver novas tradições e de desafiar as velhas tradições. No ministério jovem, como também na sociedade de jovens, as tradições se estabelecem em dois ou três anos. Algumas são úteis;
outras necessitam ser desafiadas ou descartadas. Não podemos estar muito presos ao passado em nosso ministério jovem. A cada três ou quatro anos, não apenas os jovens mudam, mas a comunidade e o mundo no qual o jovem está se desenvolvendo também mudam. A inflexibilidade do programa e o ater-se muito ao passado geram outro erro comum na sociedade de jovens.

9. Dar Demasiada Ênfase ao Entretenimento

Algumas vezes as sociedades de jovens são criadas na congregação apenas para “agitar” o grupo. Nessas situações, a sociedade de jovens evita qualquer trabalho mais sério com os jovens sobre as questões da fé, especialmente aquelas que afetam nosso mudo como um todo. Um ministério jovem fiel não evitará as preocupações sociais sérias. Ser cristão é algo sério, e o que Deus espera e deseja de nós é uma questão séria. Nenhum de nós tem uma resposta definitiva para o que Deus deseja de nós, mas algumas vezes devemos ajudar os jovens a enfrentarem seus questionamentos sobre a fé e sua resposta a este mundo.

10. Ignorar a Ânsia dos Jovens pela Santidade

Os jovens têm ânsia pelo que é santo. Embora muitos não admitam ou reconheçam isso, ela existe não obstante (exatamente como existe na vida dos adultos na criação de Deus). O ministério jovem necessita ajudar os jovens a compreenderem essa ânsia, a lidarem com ela e a celebrarem a presença misteriosa de Deus no mundo. Infelizmente, poucas congregações enfrentam essa ânsia de uma forma substancial.

Conclusão

Se você está no ministério jovem há algum tempo, descobrirá que é muito provável que seja outra forma de ministério. O ministério jovem inicia com os jovens, mas prontamente se transforma em uma compreensão abrangente de ministério. Estar preocupado com os jovens significa estar preocupado com sua situação familiar, incluindo os pais e irmãos. Estar preocupado com os jovens significa estar preocupado com as normas culturais e sociais que moldam as instituições – familiares e sociais – nas quais o jovem participa e vive. Estar preocupado com os jovens significa estar disposto a advogar em seu favor.

Estar preocupado com os jovens significa ouvir a voz dos jovens, que muitas vezes não é ouvida nesta cultura. Estar preocupado com os jovens significa estar preocupado com toda a criação de Deus. O ministério jovem, como qualquer outra forma de ministério,

leva-nos a nos preocuparmos com a situação global na qual se encontram os seres humanos.
Uma das impressões que muitos têm é que estiveram realizando um trabalho medíocre no ministério jovem. Não fizeram nada do que foi descrito nas páginas anteriores.

Sentem-se desvalorizados e não reconhecidos. Começam a questionar se têm dons e virtudes
e se devem se envolver no ministério jovem. Um dos problemas dos que falamos sobre o ministério jovem é que tendemos a focalizar nossos sucessos e não nossos fracassos.

Falamos das grandes realizações que nós ou outros estão fazendo no ministério e deixamos de mencionar os aspectos mundanos que estão impedindo um ministério vivo em inúmeras congregações. Não falamos de nossos erros, provações e tribulações. Desejo assegurar-lhes de que todos passamos por aqueles momentos quando, a despeito do estabelecimento do melhores planos e das melhores intenções, as coisas não funcionam.

Percorremos uma linha tênue em nossa compreensão teológica do ministério jovem, entre o orgulho arrogante e o não responder às ordenanças de Deus. Com muita incidência o ministério jovem vive ou morre com os líderes adultos. Isso pode nos levar a pensar que o ministério é “nosso”, e não de Deus e da igreja. Nossa esperança é posta nas capacidades e conhecimentos humanos. Começamos a crer que o uso desta técnica ou daquela estratégia pode fazer o ministério jovem funcionar. Este simplesmente não é o caso. Não somos Deus, e o Espírito de Deus Se recusa a ser limitado por nós e por nossas falhas.

Por outro lado, há pessoas que crêem que Deus sempre opera miraculosamente na história humana. Elas esperam que Deus irrompa na congregação e estabeleça de forma divina o ministério jovem. Ainda que eu afirmo que Deus tem esse poder, saliento também que Deus raramente emprega Seu poder dessa forma. Antes, permite que nós, criaturas, nos envolvamos no processo da criação e da vida com Deus.

Se uma congregação pretende ter sucesso no ministério jovem, isso se dará porque o povo de Deus, usando os dons e virtudes que lhes foram por Ele concedidos, une-se ao Espírito Santo e aos jovens. O ministério jovem requer oração e ação.

Fonte: CD-ROM Capacitando a sua Liderança – UNEB








%d blogueiros gostam disto: