UMA LUZ DENTRO DE MIM

13 01 2009

OBJETIVOS DO PROGRAMA
1- DEMONSTRAR POR DIVERSAS FORMAS QUE DEUS É A FONTE DE LUZ.
2- MOTIVAR E DESAFIAR A JUVENTUDE A SEREM REFLETORES DESSA LUZ
ATRAVÉS DO TESTEMUNHO DIRETO E DE UMA VIDA CRISTÃ AUTÊNTICA.

Planos para o Programa
Para melhor efeito e impacto, seria interessante que este programa fosse apresentado à noite.

Introdução – Um Mundo sem Luz

Um garoto, no papel de estudante, entra por um corredor pela parte de trás da igreja como se estivesse numa rua. No outro corredor, entra alguém no papel de um professor ateu, que de longe chama o garoto; eles se encontram, se cumprimentam e começa o diálogo enquanto caminham lentamente em direção a frente da igreja:
– Desde a nossa última aula, estou querendo perguntar uma coisa a você que se diz cristão: Deus criou tudo que há no Universo?
O estudante responde corajosamente:
– Sim, Ele criou!
– Deus criou tudo, mesmo?
– Sim, professor, Deus criou tudo que existe.
O professor replicou
– Se Deus criou todas as coisas, então Deus criou o mal, pois o mal existe, e considerando-se que nossas ações são um reflexo de nós mesmos, então Deus é mau!

Narração: O estudante em silêncio, concentrado, procura achar uma saída para esse dilema e pensa como poderia responder a essa questão tão intrigante.

O Professor, certo de ter dado um xeque-mate no garoto, se vangloria de haver provado uma vez mais que Deus é apenas um mito, Deus não existe.
Finalmente o garoto descobriu o que dizer.

– Posso lhe fazer uma pergunta, professor?
– Sem dúvida – responde o professor.
– Professor, a escuridão existe?
O professor responde:
– Mas é claro que sim.
O estudante fala:
– Na realidade o senhor está enganado, a escuridão não existe. A escuridão é na verdade a ausência de luz. Podemos estudar a luz, mas a escuridão não. O prisma de Newton, decompõe a luz branca nas várias cores que ela é composta, de acordo com os seus diferentes comprimentos de onda. A escuridão não.

Um simples raio de luz rasga as trevas e ilumina a superfície que a luz toca. Como se faz então para determinar quão escuro está um determinado local do espaço? Apenas com base na quantidade de luz presente nesse local, não é mesmo? Escuridão é apenas um termo para descrever o que acontece quando não há luz presente.

Enquanto o professor pondera, o jovem estudante pergunta ao professor:
– Diga, professor, o mal existe?
Ele responde:
– Claro que existe. Como eu disse no início da nossa conversa, vemos roubos, crimes e violência diariamente em todas as partes do mundo, essas coisas provam que o mal existe.
Então o estudante concluiu:
– O mal não existe, professor, ou ao menos não existe por si só. O mal é simplesmente a ausência de Deus. É apenas um termo para descrever em linguagem humana o que acontece na ausência de Deus. Ele não criou o mal. O mal surge quando Deus não está presente no coração das pessoas. É como o frio que surge quando não há calor, ou a escuridão que acontece quando não há luz.

Nesse instante exato as luzes da igreja são apagadas de uma só vez (cobrir janelas com plástico preto) deixando todos numa completa, momentânea mas incômoda escuridão. Uma voz em off narra o começo da criação (Gen.1:1-3): “No principio criou Deus os céus e a terra. E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas. E disse Deus: Haja luz; e houve luz”.

Nesse instante exato um canhão de luz (refletor) incide sobre um telão de projeção. A intenção é causar um impacto do contraste entre a completa escuridão e uma forte luz. Logo a seguir é projetado na tela uma apresentação em power-point sobre as maravilhas da natureza (obviamente o canhão ou refletor é desligado em sincronia com o começo da projeção). Durante a projeção entra uma narração em off (ler pausadamente em compasso com os slides):

– A luz foi a primeira demonstração visível da presença de Deus nesse mundo. A partir da luz a vida começou a surgir em todo seu encanto, exuberância e diversidade. Ainda hoje, a despeito do pecado, ficamos extasiados diante da imponência majestosa das obras criadas e somos levados a imaginar: se aqui nos maravilhamos com tanta beleza, com tantas cores e cenários espetaculares quão lindo então deve ser o céu?
Música especial referente ao tema.

Sermonete

(5-10 minutos) sobre a vinda da Luz – Jesus – ao mundo enfatizando 3 aspectos:
1- Jesus é a Luz que veio para salvar o mundo do poder das trevas: João 1:4,5; 8:12; 12:46.
2- Quem não aceita a Luz permanece nas trevas e se torna cego para a realidade do pecado, da vida presente e da vida futura: João 3:19,20; Mat. 6:23; Apoc. 3:17.
3- Uma Luz dentro de mim: O compromisso de sermos os refletores dessa Luz: Mat. 5:14-16. Quanto mais escuro é o mundo, mais fácil é brilhar por menor que seja a nossa luz”!

Continue lendo »





QUE VALOR VOCÊ TEM?

13 01 2009

OBJETIVOS DO PROGRAMA
CONCEITUAR A VISÃO HUMANA E SECULARIZADA ATRAVÉS DOS PILARES QUE DETERMINAM O VALOR DE UMA PESSOA E LEVAR OS JOVENS A ENTENDEREM SEU VALOR DIANTE DE DEUS MESMO FACE ÀS INCERTEZAS ATINENTES AO PERÍODO QUE ESTÃO VIVENDO.

Planos para o Programa
Conseguir quatro equipes (2 ou 3 pessoas no máximo em cada equipe). Três equipes representarão, segundo a visão humana, os pilares que determinam o valor de uma pessoa. A quarta equipe representará, segundo a visão divina, o pilar que determina nosso valor.

Introdução

(Pode ser feita por uma pessoa ou voz gravada)
A maioria das pessoas tem prazer em ser alvo de um elogio ou destacadas por algo grandioso que tenham feito. No mundo em que vivemos o segundo lugar quase não tem importância. Mas repare o texto que um autor desconhecido escreveu:

Eu não sou demais.
Porque tudo o que é demais sobra…
Tudo que sobra é resto.
E tudo que é resto vai pro lixo.
Então…
Eu sou de menos.
Porque tudo que é de menos é pouco.
Tudo que é pouco é raro.
E tudo que é raro é bem mais especial.
Leitura Bíblica Isaias 43:4

Pilares Humanos*

1o – Meu valor é estabelecido por aquilo que tenho (Abordagem das posses)

“Uma das maneiras pelas quais as pessoas procuram construir seu valor próprio é através do acúmulo de bens… Cada vez mais, a idéia das pessoas acerca do significado e valor da vida é moldada pelo cinema e pelos programas de televisão.”
Trazer para casa um novo aparelho de TV é muito legal;
Dirigir um carro zero então nem se fala;
Colocar a roupa e o tênis da moda gera uma sensação agradável.
O problema é quando a base se rompe:
O aparelho de TV fica obsoleto.
As montadoras logo lançam um novo modelo de carro no mercado.
O tênis sai de moda.
Se nossos recursos são limitados ficamos frustrados, se temos condições de sobra os bens já não possuem o mesmo valor.
Seja como for, este pilar não serve como base para determinar o valor de uma pessoa.

2o – Meu valor é estabelecido por aquilo que sou (Abordagem do desenvolvimento pessoal)

“A segunda maneira com a qual as pessoas buscam construir seu próprio valor é a abordagem do desenvolvimento pessoal… [Tais pessoas] medem seu valor em termos de quão bem realizam certas coisas.”
Os rapazes buscam de forma desenfreada as academias para ficarem “sarados”.
As moças procuram o “corpo perfeito”.
Uns procuram ser os melhores da turma.
O melhor jogador.
A melhor atleta ou ginasta.
E há os que se satisfazem através de um cargo de prestígio.

Quando o desempenho não é tudo

Seja como for, logo que se alcança o alvo desejado as pessoas percebem que o valor da conquista não é tão grande como se poderia pensar. Caso contrário os portadores de títulos e doutorados seriam as pessoas mais felizes do mundo. E isso não é verdade.

3o – Meu valor é estabelecido pelas pessoas importantes que conheço

(Abordagem do Relacionamento)
“O terceiro modo pelo qual as pessoas avaliam seu valor como seres humanos é pelas opiniões que os outros têm a respeito delas e pela maneira como os outros se comportam em relação a elas.”
Temos uma tendência maior em esperar bons relacionamentos.
Há um forte desejo de fazer parte do grupo e ser aceito por ele.
Quem não gostaria de ter um amigo importante?
Até mudamos nosso comportamento quando estamos próximos a ele. Sentimos uma tremenda satisfação ao sermos vistos com tais pessoas;

Quando as pessoas o decepcionam

“Esperar dos outros o senso de valor pessoal pode ser nocivo, tanto a eles como a nós” .
Como se isso não bastasse, as pessoas mudam de cidades, deixam de ser importantes e até morrem um dia. Se nosso senso de valor pessoal está alicerçado em um outro ser humano corremos o risco de sair machucados.

O Pilar de Deus A relação perfeita

(Um parceiro ideal)
Só vamos entender o valor que temos, quando entendermos o valor que temos para Deus.
Diz Ellen. G. White – “O Senhor fica decepcionado quando Seu povo se estima a si mesmo como de pouco valor. ” DTN 621
Jesus é o parceiro perfeito e que preenche todos os pilares necessários para que eu entenda o valor que tenho como pessoa
Ele tem valor puro, genuíno e inerente – por isso pode nos ajudar;
Ele conhece tudo a nosso respeito – por isso não há segredos entre nós e Ele;
Ele nos ama como somos – por isso entende nossas fragilidades e deficiências;
Ele é eterno – por isso não morre nunca, podemos sempre contar com Ele!

Conclusão

“O genuíno valor pessoal significa que a vida oferece um tremendo senso de realização, sabendo que somos importantes para a única pessoa em nossa vida que é importante de verdade. JESUS!”
*Os pilares aqui expostos foram extraídos d livro “Deus no Mundo Real” de Jon Paulien -CPB, 1ª Ed.,2008.

Fonte: Revista Ação Jovem 1º Trimestre de 2009





QUE VALOR VOCÊ TEM?

11 01 2009

OBJETIVOS DO PROGRAMA
CONCEITUAR A VISÃO HUMANA E SECULARIZADA ATRAVÉS DOS PILARES QUE DETERMINAM O VALOR DE UMA PESSOA E LEVAR OS JOVENS A ENTENDEREM SEU VALOR DIANTE DE DEUS MESMO FACE ÀS INCERTEZAS ATINENTES AO PERÍODO QUE ESTÃO VIVENDO.

Planos para o Programa
Conseguir quatro equipes (2 ou 3 pessoas no máximo em cada equipe). Três equipes representarão, segundo a visão humana, os pilares que determinam o valor de uma pessoa. A quarta equipe representará, segundo a visão divina, o pilar que determina nosso valor.

Introdução

(Pode ser feita por uma pessoa ou voz gravada)
A maioria das pessoas tem prazer em ser alvo de um elogio ou destacadas por algo grandioso que tenham feito. No mundo em que vivemos o segundo lugar quase não tem importância. Mas repare o texto que um autor desconhecido escreveu:

Eu não sou demais.
Porque tudo o que é demais sobra…
Tudo que sobra é resto.
E tudo que é resto vai pro lixo.
Então…
Eu sou de menos.
Porque tudo que é de menos é pouco.
Tudo que é pouco é raro.
E tudo que é raro é bem mais especial.
Leitura Bíblica Isaias 43:4

Pilares Humanos*

1o – Meu valor é estabelecido por aquilo que tenho (Abordagem das posses)

“Uma das maneiras pelas quais as pessoas procuram construir seu valor próprio é através do acúmulo de bens… Cada vez mais, a idéia das pessoas acerca do significado e valor da vida é moldada pelo cinema e pelos programas de televisão.”
Trazer para casa um novo aparelho de TV é muito legal;
Dirigir um carro zero então nem se fala;
Colocar a roupa e o tênis da moda gera uma sensação agradável.
O problema é quando a base se rompe:
O aparelho de TV fica obsoleto.
As montadoras logo lançam um novo modelo de carro no mercado.
O tênis sai de moda.
Se nossos recursos são limitados ficamos frustrados, se temos condições de sobra os bens já não possuem o mesmo valor.
Seja como for, este pilar não serve como base para determinar o valor de uma pessoa.

2o – Meu valor é estabelecido por aquilo que sou (Abordagem do desenvolvimento pessoal)

“A segunda maneira com a qual as pessoas buscam construir seu próprio valor é a abordagem do desenvolvimento pessoal… [Tais pessoas] medem seu valor em termos de quão bem realizam certas coisas.”
Os rapazes buscam de forma desenfreada as academias para ficarem “sarados”.
As moças procuram o “corpo perfeito”.
Uns procuram ser os melhores da turma.
O melhor jogador.
A melhor atleta ou ginasta.
E há os que se satisfazem através de um cargo de prestígio.

Quando o desempenho não é tudo

Seja como for, logo que se alcança o alvo desejado as pessoas percebem que o valor da conquista não é tão grande como se poderia pensar. Caso contrário os portadores de títulos e doutorados seriam as pessoas mais felizes do mundo. E isso não é verdade.

3o – Meu valor é estabelecido pelas pessoas importantes que conheço

(Abordagem do Relacionamento)
“O terceiro modo pelo qual as pessoas avaliam seu valor como seres humanos é pelas opiniões que os outros têm a respeito delas e pela maneira como os outros se comportam em relação a elas.”
Temos uma tendência maior em esperar bons relacionamentos.
Há um forte desejo de fazer parte do grupo e ser aceito por ele.
Quem não gostaria de ter um amigo importante?
Até mudamos nosso comportamento quando estamos próximos a ele. Sentimos uma tremenda satisfação ao sermos vistos com tais pessoas;

Quando as pessoas o decepcionam

“Esperar dos outros o senso de valor pessoal pode ser nocivo, tanto a eles como a nós” .
Como se isso não bastasse, as pessoas mudam de cidades, deixam de ser importantes e até morrem um dia. Se nosso senso de valor pessoal está alicerçado em um outro ser humano corremos o risco de sair machucados.

O Pilar de Deus A relação perfeita

(Um parceiro ideal)
Só vamos entender o valor que temos, quando entendermos o valor que temos para Deus.
Diz Ellen. G. White – “O Senhor fica decepcionado quando Seu povo se estima a si mesmo como de pouco valor. ” DTN 621
Jesus é o parceiro perfeito e que preenche todos os pilares necessários para que eu entenda o valor que tenho como pessoa
Ele tem valor puro, genuíno e inerente – por isso pode nos ajudar;
Ele conhece tudo a nosso respeito – por isso não há segredos entre nós e Ele;
Ele nos ama como somos – por isso entende nossas fragilidades e deficiências;
Ele é eterno – por isso não morre nunca, podemos sempre contar com Ele!

Conclusão

“O genuíno valor pessoal significa que a vida oferece um tremendo senso de realização, sabendo que somos importantes para a única pessoa em nossa vida que é importante de verdade. JESUS!”
*Os pilares aqui expostos foram extraídos d livro “Deus no Mundo Real” de Jon Paulien -CPB, 1ª Ed.,2008.

Fonte: Revista Ação Jovem 1º trimestre de 2009





CAMPO MINADO

11 01 2009

OBJETIVO:
Responder perguntas, revisando algum assunto já estudado (Ex. Ano bíblico ou lição da semana).

PARTICIPANTES:
Toda a igreja dividida em grupos de, no mínimo, 10 pessoas.

PREPARO PRÉVIO:
Faça 25 cartões com 12 figuras de carinhas felizes e 13 com figuras bombas. As pessoas não podem ver as figuras, por isso os cartões devem ser colocados em um quadro de cortiça, ou algum outro local, com o verso para frente.

Prepare as 25 perguntas sobre o assunto escolhido.

Procedimento:
Faça um sorteio para decidir qual equipe começa respondendo.
Nomeie um representante de cada grupo. Apenas esse representante dará a reposta. Os componentes da equipe devem passar a resposta a esse representante, o qual será o porta-voz do grupo

  • Faça a pergunta à equipe sorteada e dê um tempo para eles encontrarem a resposta (uns 20 segundos)
  • Se a equipe responder corretamente, ganha um número de pontos anteriormente predeterminado (10 por exemplo).
  • Após a equipe ter respondido corretamente, o moderador pode convidar uma pessoa da equipe para vir à frente desvirar o cartão ou pode numerar a coluna e a linha para que do lugar mesmo a pessoa possa escolher a peça. Caso a peça escolhida seja uma carinha feliz , a equipe ganha mais 10 pontos. Caso a peça seja uma bomba, a equipe deixa de ganhar esses 10 pontos extras.

Ganha a equipe que acumular o maior número de pontos.

PRÊMIO:
Escolha um prêmio que dê para dividir para toda a equipe vencedora
Fonte: SUÁREZ, Adolfo Semo. Dicas para esquentar as suas aulas. Série Aulas Divertidas. vol. 1, São Paulo: Paradigma, 2004.








%d blogueiros gostam disto: