Para refletir…(19-25/12/11)

21 12 2011

Emanuel, Deus Conosco — Verdadeiro Natal

“Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de EMANUEL, Que traduzido é: Deus conosco” (Mateus 1:23). Dois missionários foram presos e encarcerados na mesma cela. Estavam proibidos de falar um com o outro.

Chegou o Natal. Um dos missionários, amedrontado e calado, sentou-se no chão coberto com feno. Mexendo com os pedaços de feno ao redor, ele descobriu que poderia, mesmo sem falar, comunicar-se com o companheiro de prisão.

Ele escreveu a palavra “Emanuel”. Assim que seu amigo leu o que estava escrito no chão, viu-se tomado de grande alegria. Eles estavam aprisionados, mas criam que o Deus Emanuel estava com eles e, por fim, lhes daria a vitória. O que tem sido o Natal para nós? Um dia de festa? Um dia de comidas especiais?

Uma ocasião para beber até não aguentar mais? Ou uma oportunidade de dizer ao mundo que Jesus nasceu e está conosco, para nos dar vida e vida abundante? O que é mais importante: dar um presente de amigo oculto ou dizer ao presenteado que o verdadeiro Amigo, motivo do Natal, jamais estará escondido? O que é mais importante: a troca de abraços e brindes em volta de uma mesa ou uma palavra de ânimo e conforto, tal como “O aniversariante aqui comemorado ama a você e quer perdoar seus pecados e dar-lhe vida eterna?

O que é mais importante: comprar roupas novas para uma celebração ou pedir ao Senhor, que nasceu, para nos dar roupas novas, alvas e puras, que nos tornem brilhantes para a glória do Seu nome?

O dia do nascimento de Cristo é, realmente, 25 de dezembro? Provavelmente não. Mas, não estamos celebrando o dia e nem os costumes mundanos. Estamos celebrando o fato do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo ter nascido. Ele nasceu! Isso é o que realmente importa! Nasceu em nossos corações e, por isso, estamos muito felizes. Vamos encontrar, neste Natal, todas as maneiras possíveis de comunicar que o verdadeiro Natal está em ter o Senhor Jesus, o Deus Emanuel, o Deus conosco, a nosso lado… todos os dias… para sempre.

Feliz Natal para todos! Paulo Barbosa

Um cego na Internet

Tel/Brasil: 31 3712-2248 Celular: 31 8602-3594

Tel/USA: 321-234-1386 tprobert@terra.com.br

Ministério Para Refletir – 15 anos de vitórias!

http://www.ministeriopararefletir.com

Anúncios




A TESTEMUNHA (PEÇA)

18 12 2009

Peça em 1 ato

“… Porque não havia lugar para eles na estalagem.”

PERSONAGENS

JULIANA, a mãe
AUGUSTO, o pai
JASMIM, filha
KAMAL, filho

José, Maria e 3 pastores, apenas comporão um quadro, e não terão diálogo.

CENÁRIO – Uma casa pobre e rústica.
ACESSÓRIOS – Moedas e um jarro rústico.
INDUMENTÁRIAS – Túnicas compridas e mantos bem arranjados nos ombros dos homens e das mulheres. Ter o cuidado, repetimos, de não usar tecidos brilhantes, mas surrados. Variar os tons das cores. Todos usarão sandálias rústicas ou estarão descalços.
ILUMINAÇÃO – Além do sugerido, o grupo criará a seu modo, com bom gosto. MUSICA – lnc!uii~ outras, se necessário.

Ao começar a peça estão em cena Augusto e Juliana.

AUGUSTO, mal humorado – Apressa-te, mulher! Leva logo a bebida que os homens estão esperando.

JULIANA, medrosa – Não me demoro. Estou esperando que o carneiro esteja cozido.

AUGUSTO, autoritário – Nada de esperas! Vamos de uma vez! na adega está o vinho para levar-lhes. Não passas de uma preguiçosa.

JULIANA – Está bem, está bem… Mas sabes que não gosto de servir bebidas àqueles homens. Parecem salteadores…

AUGUSTO – Mas precisamos de dinheiro e eles, mesmo que sejam salteadores, nos darão dinheiro e
isso é o que importa. Além do mais, tu mesma deves servi-los, pois Kamal, nosso filho, está nos campos
cuidando das ovelhas. (Juliana sai e augusto fica contando suas moedas.)

AUGUSTO – Mulher estúpida! Como pensa ela que poderemos viver se nos faltar o dinheiro? (Divaga) É mesmo preciso ter muitas moedas, milhares de valiosas moedas! Ainda serei o homem mais rico das
redondezas. Em toda Belém hão de ouvir o meu nome! Ainda deixarei esta hospedaria, que não passa de uma espelunca, por um negócio mais próspero e lucrativo.
Chega Jasmim com um jarro rústico.

JASMIM – Sua bênção, meu pai.

AUGUSTO, aborrecido – Por onde andou, menina?

JASMIM – Fui até o poço, buscar água.

AUGUSTO – Espero que sejas mesmo verdade o que dizes. Não gostaria de precisar espancar-te novamente.

JASMIM, amedrontada – Mas por quê?

AUGUSTO, ameaçador – Ainda perguntas por que? Pois bem, eu direi o motivo: um dos homens que traz a lenha para a estalagem disse ter visto tu e Kamal em companhia de parentes de Israel. essa mulher que alega ser “temente a Deus”. Já disse muitas vezes para não se juntarem a esse que esperam as coisas cairem do céu. Céu é ter dinheiro, e para isso é preciso trabalhar, ouviu bem?

JASMIM – Não fale assim, meu pai. Devemos respeitar a Deus, que é o Senhor do Universo.

AUGUSTO – Cale a boca, pequena. Mulheres foram feitas para permanecerem caladas, bem quietinhas. ouviu?
(Levanta a mão para Jasmim, mas a entrada de Juliana o interrompe.)

JULIANA – O que é isto, Augusto? Por favor, não bata na menina outra vez! (Muda a conversa, para aliviar a tensão.) Olha, está ai um casal procurando hospedagem.

AUGUSTO – Quanto poderão pagar?

JULIANA, gaguejando – Na… na… não sei. Penso que são muito pobres, e…

AUGUSTO, cortando com veemência – Pois que vão buscar outro lugar. Não quero saber de pobres que não têm como pagar.

JULIANA – Mas meu marido, a mulher está quase a dar à luz a uma criança!

AUGUSTO – Pois que morram! Você ainda quer arranjar-me problemas, mulher? Onde já se viu termos aqui uma criança a choramingar?

JASMIM, corajosa – Mas temos uma vaga nos aposentos ao lado, pai.

AUGUSTO – Cala a boca! Vá, mulher, e diga que não temos lugar.

JULIANA – Mas para onde irão se após o decreto de César Augusto para que venham todos alistar-se, a cidade está superlotada?

JASMIM – Não encontrariam hospedagem em nenhum outro lugar. Ramal, meu irmão, disse que muitos dormem pelas estradas.

Continue lendo »





SE JESUS NASCESSE HOJE (PEÇA)

18 12 2009

I

(Apresentador) – “Senhores telespectadores, boa noite. No ar o Repórter Internacional, com as últimas notícias de todo Brasil e do Mundo!”

(Técnica) – Música de Natal.

(Apresentador) – “Atenção, senhores: Em uma aldeia do Oriente Médio, acaba de nascer um Menino que, dizem, mudara o destino do Mundo.

Afirma-se que de Seu berço, fará mais pela paz mundial do que todas as decisões da ONU.
Fontes fidedignas informam que tudo indica ser o Messias, há milênios esperado pelo povo escolhido.
Nossa repórter externa trará até nossos telespectadores como está sendo recebida a notícia nos diversos pontos da Terra.

(1º Repórter) [Com microfone portátil, entrevista pessoas na Índia.Grupo caracterizado, algumas pessoas sentadas, num mercado, por exemplo]:

‘Que é que o senhor acha dessa notícia da chegada do Me ss ias?”

(Indiano) “Nem mesmo tomei conhecimento. Com todos os nossos problemas, a fome que mata milhares de indianos, a doença, a miséria, acha que ainda temos tempo para preocupar-nos com o nascimento de uma criança? Já as temos em grande numero aqui. O que queremos é uma solução para o que nos aflige. Fazemos sacrifícios, caminhamos milhares de quilômetros para nossas purificações no Rio Ganges e no entanto, acabamos por morrer sem paz e sem certeza de um futuro melhor, a não ser que Brama se a piede de nós … Não sei o que nos espera …

(Técnica) – Musica triste.

(Apresentador) – “Tivemos assim, senhores, uma visão da receptividade da noticia na Índia. Vamos pedir que fale nosso repórter do Japão.”

(1º Repórter) – (Entrevista o povo japonês caracterizado].

– “Como está sendo recebida aqui a notícia do nascimento do Príncipe da Paz?”
(Japonesa) –. “Alguns dos nossos já sabem e até acreditam, mas são poucos. Também há poucas pessoas aqui que nos falam do acontecimento. Temos já bastante religião e o culto a Buda nos ocupa bastante tempo. É certo que precisa remos voltar ao mundo várias vezes e até transformados em animais para purifícação, mas um dia alcançaremos o Nirvana.”

(Técnica) – Música oriental.

(Apresentador) – “Vamos focalizar nosso representante na Rússia. Alô, Alexandroviche, alô!”

(Repórter) – (Entrevista alguém de um dos países socialistas].

“Que acha o camarada dessa “baleia” que chegou ate aqui, do nascimento do Filho de Deus?”

(Russo) – [Com medo] – “Filho de Deus? Isto seria maravilhoso e não posso crer, mas bem que precisamos de um acontecimento que nos viesse trazer a paz …”
(Técnica) – Musica – “Dai-nos Luz…”

(Apresentador) – Ala, João Marcos, como está sendo recebida ai na Palestina a notícia do nascimento do Menino de Nazaré?

(2º Rep6rter) – [Entrevistando alguém da Palestina]:

– “E então, como é que estão recebendo o nascimento do Messias?”

(Israelita) – “Pare de blasfemar. Não viu que se trata de mais um impostor? Acha que a guerra continuaria, que as perseguições prosseguiriam se chegasse o verdadeiro Príncipe da Paz? Pode vir alguma coisa boa de Nazaré? Pergunte aos antigos e a tradição e verá que o Filho de Davi chegará como um libertador”

(Apresentadora)- “Se Jesus nascesse hoje, certamente que sua recepção teria sido mais ou menos assim: Com incredulidade por alguns, com indiferença por outros, absolutamente ignorado por uma maioria. No entanto, Ele nasceu, cresceu, viveu, morreu para salvar o mundo. Já lá se vão mais de 2000 anos. Como será que estão comemorando este fato,o mais importante da História?”

(Técnica) – [Musica moderna, barulhenta. Pessoas em festa irreverente, etc.]

(Rep6rter) – [Entrevista um dos festejadores]:

“Que é que o Natal representa para você? Chegue aqui ao microfone e fale. Você está se dirigindo a milhares de
pessoas”
(Ocidental) – [Com roupas bem modernas]

“Para mim, o negócio é diversão. Qualquer motivo, to na minha de aproveitar…”

(2º Repórter) – “Mas e o nascimento do Filho de Deus, não lhe diz nada?”

(Ocidental) “Já te disse que o meu negocio e diversao.” Muda a cena para uma rua, com pessoas com pacotes de presentes, garrafões. etc.]

(2º Repórter) – “A senhora aqui, por favor, – o que acha do Natal?”
(Mulher) – “Uma exploração, sabe! É fila pra comprar de tudo. Tudo uma carestia! Tem-se que dar presentes pra todo mundo, pois, senão, ficam reparando … Vou lhe dizer, moço, pra mim é uma canseira …. em todo o caso, Feliz Natal para você!”

(2º Repórter) – “Obrigado, para a senhora também…”

(Apresentador) “Estamos tendo uma visão do nosso Natal. Filas, gente comprando, música por todo lado, gente pobre pedindo, gente rica dando presentes, pelo menos no dia de hoje, o correio sobrecarregado com cartões e telegramas…”

“Será que isso agrada a Deus?”

II

(Locutora) – “Vamos ter hoje um Natal diferente. Vamos procurar fazer a vontade desse Deus que se fe zMenino no Natal.”

(Coral de Crianças) – Um hino alegre de Natal.

(Adolescentes) – Algum jogral sobre o Natal.

(Apresentadora) “Isto é o que Cristo quer: nascer em cada coração, reinar durante o ano, ser uma realidade durante todo o tempo.”

(Conjunto Jovem) – Hino apropriado para ocasião.

Todos que participaram da programação vão a frente e abraçam-se desejando Feliz Natal e demonstrando união.

Sígrid Gleise – Central de Diretores JA 05/12/2002





Encenação de Natal – Não havia lugar para o Rei…

18 12 2009

Cenário: Casas com portas fechadas e barulho de festas e muita música.

Personagens: Jose, Maria donos de pensões. (vou fazer usando a classe de juvenis e adolescentes, eles arrebentam)

Roupas da época.

Música suave ao fundo.

Narração: Era período de alistamento, e todos deveriam sair de suas casas e ir para o seu lugar de origem, José que era de Belém, foi com Maria que estava grávida para se alistar conforme decreto do rei. Depois de muito tempo na estrada eles já estavam cansados…  Já era noite, logo José começou a procurar uma pousada para passar a dormir, pois Maria já começava a sentir dores para dar a luz.

Como havia muitas pessoas em Belém por causa do alistamento, as pensões e estalagens estavam lotadas, mesmo assim José não desistiu e continuou a procurar…

(entra pelo corredor José e Maria, José tranqüiliza Maria dizendo que na próxima pensão conseguirá vaga, Maria já queixando de muitas dores, apressa pra José).

José tenta insistentemente em mais duas pensões e nada consegue, os donos brutamente respondem que não havia mais vagas. “Não há lugar pra vocês aqui!!!”, “Não há lugar!!!”

Na terceira pensão mais uma vez é negado, porém o dono da pensão vendo que realmente Maria estava grávida se comoveu e disse que tinha um curral que estava limpo e que eles podiam ficar lá. Não vendo outra solução. José e Maria aceitam.  Quando eles entram, apagam-se as luzes e um progetor atras do tela projeta imagem em anexo. canta se a musica e logo em seguida o sermaõ e finaliza com a outra música.

Música: Que maneira estranha – Josué de castro- Jadiel

Sermão: Não havia lugar para o rei…: Iran  – Apadapitado

Continue lendo »





A NOITE DOS PASTORES (Jogral)

13 12 2009

1 – “Glória a Deus nas alturas”, Todos – paz na terra, boa vontade para com os homens!”
2 – Era urna multidão dos exércitos celestiais,
3 – feita de anjos cujos vestidos brilhavam mais que o sol,
4 – mais que as estrelas que bordavam os céu,
5 – e muito mais do que milhares de relâmpagos.
1 e 2 – Na noite de Natal, o momento do amor maior é
Todos – Glória a Deus nas alturas!
3 – Porque é Natal, Jesus nasceu
4 – e na vigília da noite, no coração dos pastores…
Todos – teve início a grande festa.
4 e 5 – Não urna festa artificial,
5 – feitas de caros brinquedos e mesas cheias de gulodices,
1 – mas uma festa bonita, espiritual…
2 – toda enfeitada de luzes que levam á eternidade
Todos – Foi assim o primeiro Natal,
Vozes masculinas – cheio de simplicidade corno pureza da vida dos pastores,
3 – acostumados com a natureza,
4 – com o verde magnífico dos campos,
3 e 4 – o nascer e o pôr-do-sol, pintando o céu de alegria,
vozes femininas – em fios de prata, rosa e dourado

Todos – pelas mãos sábias de Deus.
5 – Pastores acostumados com a água doce e cristalina que lhes saciava a sede
1 e 2 – e com o canto mágico dos passarinhos, aos quais aprenderam a amar.

2 – Foi urna noite enluarada, como nunca houve igual,

1 – a noite maravilhosa em que nasceu o menino Jesus.
Todos – Jesus, o Menino Deus, o Messias.
3 – Ao trabalho e aos encantos da natureza, os pastores estavam bem acostumados,
4 – mas o que eles não esperavam aconteceu naquela noite.
5 – Há muitos e muitos séculos,
1 – o que era comum, transformou-se em esplendor:
2 – os anjos, iluminando os campos. bem alegres anunciaram:
Todos – “Nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor.”

3 – E os nossos amigos, os pastores, nem refeitos estavam da surpresa, quando eles continuaram;
Vozes masculinas – “e achareis o menino envolto em panos e deitado numa manjedoura.”
Vozes Femininas – Numa simples manjedoura!
4 e 5 – Corno era simples também o coração dos pastores,
4 – porque o Mestre Jesus só pode fazer morada no coração dos pequenos,
5 – dos que não acham importante ter conta com muito dinheiro no banco, ter carro do ano e prestigio social.
Vozes masculinas – “Vamos depressa para Belém”,
1 – disseram os pastores depois que os anjos voltaram para o Céu.
2 – Depressa, pois importa agora louvar o Menino Deus,
3 – o Salvador, o dom que veio dos céus.
Todos – Cantam um hino de louvor a Deus n0 44 do Novo Hinário Adventista -“Natal Feliz Natal!”

Vozes Masculinas – Depressa amigos para Belém,
4 – Porque é lá que se encontra toda nossa esperança,
3 e 4 – entre Maria e José, o Deus feito criança!
Todos – Foi assim o primeiro Natal.
5 – Ah! Que sejam assim todos os Natais!
Vozes Femininas – Alegres, puros e simples,
1 – mas cheios da presença de Jesus;
Todos – o maior amor, a razão primeira do Natal!

Sígrid Gleise – Central de Diretores JA 05/12/2002





ERA UMA VEZ O NATAL (PEÇA)

13 12 2009

Entram todos de uma só vez, sob música suave.

TODOS, de mãos dadas – Nós estamos aqui para contar uma bonita história. A mais bonita de todos os tempos. (Sorrindo) Era uma vez o Natal!

NARRADOR(A): Destaca-se com o pergaminho – “Ora, havia, naquela comarca, pastores que estavam no campo e guardavam durante a vigília da noite, os seus rebanhos. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles e a glória do Senhor os cercou de grande resplendor, e eles tiveram grande temor. E o anjo lhe disse:

ANJO, com o braço estendido para o alto – “Não temais, porque eis que aqui vos trago novas de grande alegria que será para todo o povo! Pois na cidade de Davi vos nasceu hoje o Salvador. E isto vos será por sinal: achareis o menino envolto com panos e deitado numa manjedoura.”

TODOS, com os braços para o alto – “Glória a Deus nas alturas e paz na terra, boa vontade para com os homens!’

NARRADOR (A), continua lendo – “E depois que os anjos ausentaram para o Céu, os pastores disseram uns aos outros: ‘Vamos, até Belém, vejamos isso que o Senhor nos fez saber’. E foram apressadamente e acharam Maria, José, e o menino deitado numa manjedoura. E depois que o viram, divulgaram a palavra que acerca dele lhes fora dita.”

MAGO E PASTOR: “Onde está o que é nascido rei dos judeus, porque vimos a sua estrela e viemos a adorá-lo?”

PASTOR: chegando bem perto da manjedoura. Sou um dos pastores a quem o anjo avisou, lá no campo, do seu nascimento. O nosso coração encheu-se de temor, mas logo também de uma imensa alegria! Tu és o esperado de todas as nações. O Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade e o Príncipe da Paz! Deus seja louvado por tua presença entre nós. (Ajoelha-se junto à manjedoura e permanece estático.)

REI MAGO – Sou único rei, vindo do Oriente e represento todos os reis da terra! É pena, menino, que virão dias em que os reis não o procurarão mais, sempre ocupados com os tesouros da terra, que a traça e a ferrugem corroem, eles estarão esquecido do grande tesouro espiritual que devemos acumular no Céu, preocupados com suas riquezas, desconhecerão que ser um seguidor da estrela do oriente é a decisão mais acertada na vida de qualquer pessoa. Glorificado sejas para sempre, Rei dos reis, Senhor dos senhores! (Ajoelha-se e permanece.)

NATUREZA – Estou muito feliz, menino Jesus, por participar também do teu Natal! Eu represento a natureza. Trago comigo, em tua homenagem, os mais dourados pores-do-sol e as mais lindas noites. Tu menino és muito mais bonito do que todas as estrelas que brilham no céu’; e a tua voz mais doce que o canto suave das ondas na praia. Ofereço-te o verde perfumado de todas as árvores e o mágico colorido de todas as flores. Sei que tu falarás sempre da natureza, lembrando o vento que sopra onde quer, os pássaros, os lírios dos campos… O teu brilho para a humanidade trará a grande luz espiritual para todos os que desejam buscá-la. (Ajoelha-se, como Maria, a adorar o menino – imaginável.)

Continue lendo »





PROGRAMA DE NATAL

13 12 2009

Objetivo: Explicar: O que tem papai Noel haver com o Natal, ou seja com o nascimento de Jesus.

Carlos – É, essa é uma boa pergunta, mas vamos lá, na verdade papai Noel não tem nada haver com o natal mas também tem tudo haver com o natal.

Jorge – Hiii, complicou to, o que você esta querendo dizer…

Carlos – Certo eu explico: Existem muitas lendas e tradições sobre a origem do papai Noel, algumas pessoas acham bom que as crianças acreditem, porém a outras pessoas que não, por isso vai da cabeça de cada um, se você acha legal, bonito, e prazeroso, onde vai fazer o bem para seus filhos ou as crianças, não tem nada de mais no velho e bom papai Noel. Porém se você acha bobagem, que isso tudo é historia para criança dormi, sinta-se a vontade…

Jorge – Bom você tocou num assunto interessante tradição, é verdade que antigamente, 25 de dezembro era uma festa pagã.

Sergio – Sim é verdade, a Bíblia não menciona nem o dia, nem o mês do nascimento de Jesus, talvez para ninguém dar mais importância á festa do que ao fato…

Jorge – Certo então como surgiu essa data 25 de dezembro.

Sergio – Bom entre os pagãos, esse era um dia dedicado ao sol. Por volta do ano 350 depois de Cristo, o cristianismo adotou a data para comemorar o Natal, tentando fazer uma comparação com Jesus como o ” Sol da Justiça.”

Jorge – Já que é assim a gente nem poderia comemorar o Natal, por isso que algumas pessoas não aceitam.

Sergio – Calma ai amigo, o natal se tornou uma festa de confraternização cristã, uma data em que as pessoas têm boa vontade em ouvir falar de Deus. Mesmo sabendo que não corresponde ao dia do nascimento de Jesus, muitos cristãos aproveitam a oportunidade para falar do Filho de Deus que há cerca de dois mil anos Se tornou o Salvador da humanidade. Outros cristãos fazem restrições e não comemoram o Natal.

Jorge – E eles estão certo ao agirem assim, não comemorando o natal.

Sergio – Meu pai sempre me ensinou que ninguém deve julgar os outros em questões de consciência.

Jorge – É verdade, sabe de uma coisa, tirei uma grande lição hoje.

Sergio – Certo, e qual foi.

Jorge – Natal pode ser dia de festa, de alegria, mas que ninguém se esqueça do maior personagem do natal (não importa em que dia Jesus nasceu, afinal Cristo é o nosso Salvador.

Sergio – Isso mesmo amigo, vamos agora comemorarmos…

(saem os dois de cena)
(Entra um Terceiro Jovem)
Agora amigos e irmãos vamos conhecer algumas curiosidades sobre o Natal.

Curiosidades do Natal

a.. No inicio do cristianismo, o nascimento de Jesus era comemorado em várias datas: 6 de janeiro, 2 de fevereiro, 25 de março, 19 de abril, 20 de maio e 17 de novembro.
b.. No Japão, onde a maioria da população não é adepta do cristianismo, o Natal é uma festa popular sem conotação religiosa.
c.. O Natal é comemorado na Rússia de 6 para 7 de janeiro por que a Igreja Ortodoxa segue o antigo calendário gregoriano.
d.. Há muito tempo é comum a troca de presentes de Natal entre os europeus e americanos: por aqui, o costume começou a parti da década de 40.
e.. Em nosso pais, o Natal mais luminoso acontece em Gramado, na Serra Gaúcha, quando a cidade é iluminada por mais de 500 mil lâmpadas e a festa dura todo o mês de dezembro.
f.. A árvore de Natal é uma tradição alemã. Dizem que surgiu com Martinho Lutero, o pai do protestantismo. Numa noite de Natal, ele estava andando por uma floresta e viu estrelas brilhando entre os galhos de pinheiros cobertos de neve.
REFLEXÃO PARA OS JUVENIS

(poderá ser feita por dois jovens)

A ARVORE DE NATAL = O PINHEIRO

Qual á arvore mais procurada nestes tempos de fim de ano. A resposta é fácil. Todos querem montar seu pinheirinho de Natal. Essa árvore tem outras utilidades. Talvez você não saiba, mas a madeira do pinheiro é muita utilizada para fabricar papel e móveis. E a araucária é um tipo de pinheiro característico da região sul do Brasil.

O pinheiro é uma árvore originaria das regiões frias do hemisfério norte. Ele faz parte da família das coníferas. É do grupo das gimnospermas, as plantas que tem flores, mas não possuem frutos. Suas raízes podem penetrar profundamente no solo, ramificando-se. Dessa forma, a árvore fica bem firme no solo.

O Caule do pinheiro é grosso e fornece boa lenha. Pode alcançar mais de 40 met4ros. O Interior dele contém uma goma, é a resina, que sai quando a árvore recebe um corte.

As folhas do pinheiro são largas, com seus 10 a 20 cm, e tem forma de agulha. Esse formado reduz ao mínimo a evaporação de líquidos que a planta absorveu.

As flores do pinheiro tem uma característica interessante: algumas são femininas e outras masculinas. São masculinas, que liberam pólen para a formação de novas árvores. As femininas formam a pinha.

O pinheiro, tão procurado na época do natal, é uma árvore que pode ser encontrada durante o ano todo, graças a sua capacidade de se adaptar bem a ambientes frios e secos.

UM TAL VIAJANTE

Personagens = Narrador – Nicolau – Sara –

Narrador – Nos tempos de Herodes, havia um escriba muito obediente a Deus chamado Nicolau.

(entra Nicolau pelo lado da Igreja, e senta numa cadeira que deverá estar na frente da igreja)

Narrador – Ele possuía alguns bens. Sua vida era simples, mas confortável. Mesmo assim, Nicolau não se sentia feliz. Suas orações não eram de agradecimento, mas de lamentos. Durante todo o tempo, implorava a Deus que fizesse dele um instrumento de algo notável, pois não queria terminar seus dias como um outro qualquer.

Nicolau – Bom vou fazer minha oração, mas uma vez. (dobra os joelhos e começa a orar) Senhor bondoso Deus, aqui esta seu servo, venho nesta noite fazer o mesmo pedido que faço todas as noites, faça de mim um instrumento muito precioso na sua obra, usa-me de uma forma maravilhosa para que todos possam se lembrar de mim, isso lhe peço hoje e sempre amém…

Narrador – Assim todas as noites, Nicolau permanecia em sua janela orando. Mas o tempo ia passando, e nenhum sinal da vontade do Senhor se manifestava. Porém numa manha eis que surge sua esposa Sara.

Sara – Nicolau, acorde, você dormir de novo perto da janela. Sabe o dia já amanheceu, e você viu a estrela que clareou o céu por toda a noite.

Nicolau – Não, não deu para ver não, é que fui interrompido em minhas orações por um viajante que passava, e logo adormeci.

Sara – Viajante, afinal quem seria esse tal viajante, por acaso eu o conheço.

Nicolau – Não você não o conhece não, era apenas um carpinteiro vindo de Nazaré e sua mulher grávida de nove meses, vieram para o recenseamento. Como ele estava me incomodando atirei-lhe algum dinheiro e ordenei que seguisse viagem. Por isso agora vou orar, me de licença Sara.

Sara – Que estranho um viajante e uma mulher grávida…

Nicolau – (dobra os joelhos e começa a orar) Bom Deus muito obrigado pelo Senhor ter me poupado daquele transtorno que iria passar caso ajudasse aquele viajante com aquele sua esposa grávida, já imaginou se ela ganhasse aquele neném aqui em casa, eu ia ter um troço, por isso meu Deus me ajude a ser um instrumento em sua obra  para ser uma famoso homem, amem…

(levanta e sai de cena)

Narrador – E amigos o que Nicolau não sabia é que aquele viajante era nada mais nada menos que José e Maria, e naquela noite nasceu Jesus o nosso Salvador. Moral da história: Não podemos deixar as oportunidades passarem…Faça a sua parte que Deus fará a dEle.

*PROGRAMA DE NATAL ELABORADO POR MARCELLO FUNDÃO

Marcello Fundão
“Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos.”








%d blogueiros gostam disto: