Semana de Oração Jovem 2010 – Prosseguindo com Esperança

16 05 2010

Quinta
Título: Prosseguindo com Esperança

C A L E B E
I. Existem grandes momentos na Bíblia que emocionam a gente e nos trazem esperança.

A. Lembro-me do dia que o mar vermelho foi aberto para o povo de Deus passar.

1. A nuvem protegendo de dia e a luz pela noite, lembro dos milagres realizados por Jesus como a Ressurreição de Lázaro, e como o profeta Elias no monte Carmelo destruiu 450 profetas falsos de Baal. São tantos os atos de Deus…

B. Qual foi o fato bíblico mais interessante para a sua vida juvenil ou jovem?

1. Esta história relembra os momentos sensacionais e tão fortes que não podemos ignorá-la.

2. No livro de Números capítulo 13 encontramos a expedição esperança de reconhecimento para a terra prometida por 12 príncipes escolhidos a dedo e chamados para representar o povo e depois de quarenta dias voltaram trazendo o relatório da viagem.

3. Como você sabe 10 deles foram extremamente negativos e não confiaram em Deus; porque a terra prometida que manava leite e mel tinha campos maravilhosos, mas, também tinha os gigantes filhos de Anaque (Num 14:28). E também grandes cidades com muros fortificados com homens preparados para a guerra com um tremendo equipamento de guerra.

3.1. “Em sua incredulidade [os dez espias] limitaram o poder de Deus.” Patriarcas e Profetas. Pág.388

4. Porém, dois homens de fé e coragem – Calebe e Josué foram positivos e confiaram em Deus. Calebe por exemplo, com autoridade e moral no livro de Números Capítulo 13:30 disse: “ Vamos subir e conquistar a terra, porque, certamente venceremos.”

5. Nascido como escravo, com um nome cujo significado é “cão”. Imagine a situação entre os demais jovens e líderes de sua época:
5.1. “Como vai, escravo, qual é seu nome?”
5.2. “Meu nome é Calebe, senhor!”
5.3. “Cão… Hum, isso é apropriado?”

II. Mas Deus libertou Calebe e Seu Povo.
A. A maioria dos israelitas nunca compreendeu plenamente o que era a liberdade. Pensavam que Moisés com sua vara ‘mágica’ devia levá-los confortavelmente à terra prometida num instante.

1. Mas quando viram os obstáculos surgindo no horizonte, o alimento e a água sumindo, ou Moisés com o cajado desaparecendo numa montanha por algumas semanas, a sua liberdade tornou-se um caos, eles ansiaram pela escravidão, porque eles ainda eram escravos no coração e na mente.

2. Calebe por outro lado era diferente. Ele sabia que a liberdade era para servir um novo e divino Mestre. (Num 14:30).
2.1. “Calebe abriu caminho entre eles, e sua voz clara, sonora, foi ouvida sobre o clamor de toda a multidão. Ele se opôs à opinião covarde de seus companheiros de espionagem, que haviam enfraquecido a fé e a coragem de todo o Israel. Ele pediu a atenção do povo, e eles contiveram suas queixas por um momento para ouvi-lo.” Vidas Que Falam – MM – 1971, pág. 106.

3. Os corações se derreteram e a Terra Prometida subitamente pareceu pouco promissora. Perdendo a sua experiência cristã, os israelitas murmuraram: “Porquanto o Senhor nos aborrece, nos tirou da terra do Egito para nos entregar nas mãos dos amorreus e destruir-nos” (Deuteronômio 1:27).
3.1. “Inspirados por Satanás [os dez espias] ampliaram as dificuldades e os perigos…” Cristo Triunfante – MM – 2002, pág.119.

4. Moisés tentou tranqüilizar o povo, mas o clamor dos queixosos simplesmente aumentou. Então um homem se adiantou e exclamou: Has!, que em hebraico corresponde ao nosso “silêncio!”. Era Calebe de Judá. Ele não era um eloqüente orador motivacional, mas suas palavras deviam ser um lema e a declaração de missão de qualquer um que deseje entrar no descanso do Senhor, na terra melhor que Ele prometeu.

5. Seu povo carecia de pessoal, recursos, infra-estrutura e ‘orçamento’ para vencer os obstáculos.

B. Por que então Josué, o outro espia, não fez um discurso também?

1. Ele concordou com Calebe. Mas ele havia sido assistente de Moisés. Todo o mundo sabia que ele tinha interesses na questão. O povo que não escutara a Moisés por certo não ouviria Josué.

2. Mas Calebe não tinha essa ligação especial. Ele podia facilmente ter-se posto ao lado dos outros dez espias. Afinal, não constituíam eles a maioria?

3. Era a teocracia e não a maioria que regia o coração de Calebe. A democracia poderia ser uma coisa boa, mas nem mesmo o voto majoritário poderia desviar a determinação de Calebe de seguir o Senhor.
3.1. Talvez por um breve e brilhante momento a coragem de Calebe acendeu uma centelha de esperança em algumas pessoas.

4. Mas foi logo apagada quando a maioria tomou a plataforma e começou a discursar contrariamente. Decididos a produzir depressão, falaram mal do país que antes tinham louvado, dizendo que “ele devora seus habitantes.”

5. Eles exageraram comparando-se a gafanhotos na presença dos habitantes de Canaã (Num 13:33). Disseram ter visto os nefilins, descendentes dos famosos gigantes que viviam antes do Dilúvio.

C. Um Relatório Covarde (Num 13:27-33).

1. Durante toda aquela noite os israelitas choraram (Números 14.1), e na manhã seguinte, levantaram-se para se rebelar contra seus líderes Moisés e Aarão.

2. Josué e Calebe rasgaram suas vestes e falaram com o povo, mas nada conseguiram em troca senão ameaças. A congregação prometeu apedrejá-los (Números 14:10).

3. Assim Deus sentenciou toda aquela geração a uma condenação apropriada para o seu crime. Não entrariam em Canaã e morreriam no deserto, exceto Calebe e Josué.

4. Ele distinguiu o leal Calebe com uma menção especial: “Porém o Meu servo Calebe, visto que nele houve outro espírito e perseverou em seguir-Me, Eu o farei entrar na terra que espiou, e a sua descendência a possuirá” (Números 14:24).
4.1. Alguns imaginam que poderiam ser esta a grande apoteose de sua vida, contudo ainda não tinha chego o momento.

5. Levou tempo para que os israelitas aprendessem a acompanhar o Senhor. Ele os educou levando-os pelo deserto, longe de distrações.

D. Chegou o Momento Apoteótico.

1. Calebe poderia ter questionado a decisão de ficar no deserto por quarenta anos, pois, ele era fiel e já merecia receber a herança, mas em lugar de reclamar ele submeteu-se sem nenhum conflito e os quarenta anos não tornaram Calebe mais forte fisicamente. Nem diminuíram sua confiança em Deus.

2. Quando finalmente chegou o tempo de conquistar o país, Calebe, com seus 85 anos, pediu a pior vizinhança: Hebrom, onde havia os maiores gigantes.

3. Como um exemplo aos israelitas e para provar a verdade do que ele tinha dito em Cades-Barnéia. Calebe ofereceu-se para enfrentar o maior desafio e expulsar os gigantes da cidade (Juízes 1:20). Por estar ele seguindo o Senhor, os gigantes eram sua ‘presa’ natural.

4. Calebe estabeleceu-se em sua herança. Portanto, a hora mais apoteótica de Calebe não foi seu discurso em Cades-Barnéia, quando ele enfrentou toda a congregação de Israel?

5. Ou quem sabe sua decisão de desafiar os gigantes de Hebrom? Eu sugeriria outra possibilidade: A apoteose de Calebe foi os 40 anos no deserto. Essa foi realmente uma espera heróica.
5.1. Se alguém tinha direito de queixar-se era Calebe. Por causa dos erros dos outros ele foi privado de quarenta anos de vida na Terra Prometida, onde poderia se deliciar com o leite e mel, assentado debaixo de uma videira ou figueira. Ele não precisava de todos aqueles anos extras de aprendizagem. Estava pronto para ir. Mas em vez de apressar-se para conquistar Canaã sozinho, ficou com o Senhor e Seu povo.

6. Calebe não ficou ocioso no deserto. Ele ajudou educar a geração seguinte e a fazer o que ele fez: seguir o Senhor de todo o coração, esperar grandes coisas, e ter a certeza de que Deus proveria para os Seus filhos.

E. Aquela geração entrou na terra prometida, num momento de crise espiritual.

1. Muitos de nós estudamos ou trabalhamos numa cidade. Houve batalhas intelectuais no passado e as haverá maiores ainda no futuro. Mas, agora estamos na posição de Calebe durante os 40 anos de deserto.

2. Estamos ensinando ou aprendendo como seguir o Senhor de todo o coração, em todos os caminhos, a despeito das fortificações gigantes e tribulações diárias, ao lugar onde o “Cordeiro, que está no meio do trono, os apascentará, e lhes servirá de guia para as fontes das águas da vida, e Deus limpará de seus olhos toda a lágrima” (Apocalipse 7:17).

III. Não desista; prossiga com esperança.

A. Tenha confiança na Palavra de Deus.

1. Deus sempre cumpre que promete. Talvez até demore no seu ponto de vista.
2 . Tenha uma atitude positiva. É mais fácil Deus usá-lo.
3. Demonstre fé heróica em Deus, quando o grupo for negativista.
4. Cultive o lado de ver as coisas boas e positivas – Deus irá usá-lo.

B. “Não existe atalhos para o sucesso, mas, o trabalho intenso é a estrada mais curta para o êxito.”

1. Nós não podemos morrer no deserto, o nosso destino é a Canaã celestial… Amém?
2. Você deseja a Canaã celestial?
3. Então seja uma Calebe moderna!
4. Oremos… Senhor dá-nos esse monte… Diga para Deus agora mesmo qual é o monte que você deseja…

Pr. Ronaldo Arco
Ministério Jovem – UCB


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: