Semana de Oração Jovem 2010 – No Caminho da Esperança

16 05 2010

Terça

Título: No Caminho da Esperança

C L E Ó P A S


“Naquele mesmo dia, dois deles estavam de caminho para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusálem sessenta estádios”. Lucas 24:13.

I. Em meio a decepção, Jesus Cristo é a Esperança.

A. Não estamos sozinhos na empoeirada estrada da vida (Luc. 24:15).

1. A festa havia tido um fim amargo. Caía a tarde de Domingo. Cansados e calados, dois viajantes voltavam para casa. Entre os fragmentos de seu diálogo, entrecortados por frases inacabadas, suspiros e silêncios, afloravam os golpes da realidade de um acontecimento insuportável.

2. Cléopas e seu amigo não podiam apartar de suas mentes, a caminho de Emaús, a morte brutal de seu querido Mestre, na tarde de Sexta-Feira. Suas últimas palavras, Sua prisão, Sua condenação, Sua tortura. E aquele fim humilhante na Cruz.

3. Mais dilacerante que indignação pela morte de um inocente, mais do que a dor da perda de um ente querido, mais do que o temor de serem também julgados, era a dor de haver perdido a fé e a esperança em mais um messias.

4. Tudo que havia dado sentido as suas vidas estava sepultado em baixo da laje de uma tumba em um pequeno cemitério (pelo menos assim eles pensavam).

5. Aquele final, tão infame tão absurdo, sem resistência e nem glória, era incompreensível. Que o enviado de Deus fosse humilde, compreensivo com as crianças e as mulheres, amigo dos pobres e amável com os seus inimigos; mesmo a duras penas dava para se aceitar.

6. Mas, que o libertador de Israel não fora capaz de liberta a si mesmo, que o Salvador nada fizera para salvar-se, que o Messias prometido havia sido assassinado no monte rodeado dos mais abjetos criminosos, que o Rei esperado para resgatar o seu povo do jugo do inimigo houvera sido executado pelos romanos, era demasiado escandaloso para se aceitar.

7. Se Deus existia, Se Deus se importava com Israel, era impossível que houvesse consentido semelhante crueldade com o Seu filho, Jesus de Nazaré. Sem dúvida tudo não passara de um grande engano. Tudo havia acabado agora voltavam para sua realidade sem futuro. Tudo estava vazio como antes.

B. A Cena destes dois discípulos nos é tremendamente familiar.

1. A cena de dois desolados discípulos caminhando entristecidos por uma longa estrada não nos parece familiar? Quantas vezes nas empoeiradas estradas da vida as circunstâncias nos impelem a acreditar que estamos abandonados, como “ovelhas que não têm pastor”?

2. Quantas vezes as nossas mais firmes esperanças parecem desvanecer ante os infortúnios e tragédias do cotidiano? Contudo, assim como tão certo Jesus caminhava lado a lado com os confusos discípulos, Ele nunca deixou de estender seus braços para aliviar nossos fardos nos momentos mais difíceis de nossa vida.

3. Ilustração: Durante a segunda Guerra Mundial, Eric Erickson se converteu em um “falso traidor”. Devido as suas relações comerciais com a industria alemã de petróleo, o comerciante sueco havia sido recrutado pelos aliados para espiar a máquina de guerra de Hitler. Ninguém sabia disto em seu país, e nem devia saber, exceto sua esposa; todo mundo deveria crer que ele era nazista, sua vida dependia disto. Certa vez em um estaurante em Estocolmo, um amigo judeu se aproximou da mesa onde estava Erickson. O falso traidor imediatamente o repreendeu diante de todos os outros fregueses.

“Estou cansado de dizer-lhe que deixe de molestar-me com as sua repugnantes proposições de negócios judeu – exclamou Erickson – eu não faço negócio com os judeus. Sendo assim retire-se daqui imediatamente”. No dia seguinte Erickson recebeu uma carta de seu amigo onde ele dizia que não podia crer que Erickson sentia realmente aquilo que ele dissera para ele, ele afirmava que acreditava que Erickson só podia ter tido um “propósito especial”, e que “se algum dia pudesse ajudar em algo” ele gostaria de ser informado. Erickson destruiu imediatamente o papel e continuou seu trabalho de espionagem.

4. Não é parecido com isto que O Nosso Senhor espera de nós outros? Não tem revelado Nosso Pai celestial o suficiente quanto ao seu caráter, seus motivos e seu amor, para que o seu povo o ame e nEle confie, não importa quais tenham sido as circunstâncias? Não tem Deus procurado pelo amor de seus seres jovens filhos durante seis mil anos?

5. Meu querido jovem, as palavras de Jesus continuam tendo a mesma importância para nós: “…O que eu faço não sabes agora, compreendêlo-ás depois.” Jo. 13:07. Contudo, a viagem continua, e dela podemos extrair três grandes lições:

(1) Nós não estamos sozinhos, (2) Precisamos clamar pela contínua presença de Jesus e (3) O nosso coração deve arder exclusivamente pelas coisas divinas.

II. A maior alegria de Deus é estar em nossa companhia.

A. Jesus sempre buscou nossa companhia… (V. 28,29).

1. Ellen G. White faz um interessante comentário sobre este precioso pedido: “Houvessem os discípulos deixado de insistir no convite, e não teriam ficado sabendo que seu companheiro de viagem era o Senhor ressuscitado. Cristo nunca força a Sua companhia junto de ninguém. Interessa-se pelos que dEle necessitam. Com prazer penetra no mais modesto lar, e anima
o mais humilde coração.” DTN, P.800.

2. O maior desejo de Cristo é habitar com o homem. Desde que o homem pecou -e por pecar não mais pôde estar na presença de Seu Senhor – Cristo deixou bem claro que Ele quer habitar conosco, Ele deseja estar em nossa companhia. Esta verdade é repetida noutro lugar na Bíblia, ela aparece na própria razão da construção do Santuário (Ex. 25:08), quando Cristo “se esvaziou” e veio a este mundo (Jo. 1:01,14), e finalmente quando trata do futuro Ele nos assegura que Ele habitará conosco para todo sempre (Zac. 8:03, Apoc. 21:03).

B. É nosso desejo estar com Ele?

1. Agora, se de um lado é notório o ardente desejo de Deus em habitar com o homem, podemos dizer, com base em nossas ações, que é quase inversamente proporcional, o desejo de estarmos na presença de Deus. Pois, quando gritamos em nosso lar em vez de falarmos, nós dizemos: não Deus, pode passar adiante, este ambiente agora não dá para você, quando enchemos os nossos cômodos com músicas profanas, dizemos que não queremos a companhia de Deus, Enquanto assistimos cenas, imorais, impuras, nocivas, quer de filmes, novelas ou outro programa; não podemos dizer “FICA CONOSCO”.

2. Jamais podemos esquecer das supremas promessas do Salvador antes de ascender ao céu. S.Jo. 15:26, 16:07…Numa lista de 15 coisas que entristecem o Espírito Santo, sabem vocês que encabeça a lista? “As diversões estão contribuindo mais do que qualquer outra coisa para anular a operação do Espírito Santo, e o Senhor está sendo ofendido.” Fundamentos da Fé Cristã, p.221.

III. O que faz arder o nosso coração (v. 32)

A. A Caminho da Cidade Santa o nosso coração deve “arder pelas coisas do alto”.

1. O coração lhes ardia é bela expressão do efeito emocional da nova verdade que lhes raiava na mente…Os corações começaram a requeimar, enquanto o estranho lhes expunha as Escrituras, e eles continuavam ardendo, em chamas cada vez mais vívidas, ao mesmo tempo que ele prosseguia…

2. Era o coração, ressequido pela tribulação, que assim ardia. Esse requeimar do coração, experimentado pelos dois discípulos, foi típico da experiência da igreja primitiva inteira, quando compreendeu a chave dos sofrimentos de Jesus (isto é, quando compreendeu que Jesus teve que sofrer a fim de receber a Glória resultante). O Salmista Davi sabia bem o que era possuir o “arder” do Espírito Santo ( Salmos 39:03). Contudo, esta experiência, quem sabe, há muito está adormecida em nossas vidas, e como afirma o Salmista, ela só pode resultar do encontro, do tempo a sós com o nosso Mestre.

3. Querido jovem, o que tem feito arder o teu coração? Será uma simples e ilícita paixão humana? Será um capítulo imperdível de uma profana novela? Será uma música popular com letras imorais? Será um bate papo nas salas virtuais da internet cheio de expressões baixas? Será que são cenas de um filme que reforça a violência, o espiritismo e o adultério?

4. Querido jovem, o que tem feito arder o teu coração? Será uma simples e ilícita paixão humana? Será um capítulo imperdível de uma profana novela? Será uma música popular com letras imorais? Será um bate papo nas salas virtuais da internet cheio de expressões baixas? Será que são cenas de um filme que reforça a violência, o espiritismo e o adultério?

5. O nosso coração jovem deve voltar a arder pelas coisas do alto, e somente pelas coisas divinas. Nossa experiência espiritual deve determinar a inclinação de nossos sentidos, bem como as nossas reações emotivas.

6. O grave problema é que não temos nos encontrado com o Mestre com a freqüência necessária… Nossos sentidos estão embotados pelo pecado, nossa mente está petrificada pelo secularismo, nossa sensibilidade endurecida pelo nosso criticismo arrogante, e só há uma maneira para sairmos deste abismo desesperador…só há uma maneira de fazer o coração arder de novo: Salmo 51:10.

7. Vejam, o salmista não está apenas pedindo para que Deus limpe seu coração, mas, sobretudo, ele tem convicção de que Deus pode lhe dar um coração totalmente novo, ou seja, uma mente totalmente nova, sem nenhum resquício do passado (Ezeq. 36:26). Ellen G. White comentando a respeito do assunto, escreveu: “As palavras ‘dar-vos-ei coração novo significam: dar-vos-ei uma mente nova.” Review and Herald, 18-12-1913.

IV. Conclusão e Apelo.

1. Nossa grande jornada não é em direção a uma grande cidade, nem muito menos a Emaús, nossa grande viagem é direção a cidade cujo arquiteto é o Nosso Senhor Jesus Cristo.

2. Às vezes vai parecer que estamos sozinhos. Mas, assim como Ele estava com aqueles dois discípulos e os confortou, Ele anseia nos confortar e mostrar, que nada que sofremos aqui por sua causa é em vão.

3. Uma vez que tenhamos esta certeza, o próximo passo será clamar como aquele dois discípulos: “Senhor fica conosco”. Pois, o grande desejo de Deus é estar em nossa companhia.

4. O resultado não pode ser outro, o nosso coração adormecido voltará a arder pela presença do Mestre. Não ficaremos com esta mensagem somente para nós. Assim como aqueles dois discípulos sairemos e contaremos ao mundo que as nuvens negras que pairam sobre os horizontes de nossas vidas serão dissipadas pela Esperança chamada ‘Jesus’.

Pr. Donato Azevedo Filho
Ministério Jovem – UNoB


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: