PEÇA – SONHO DE ELLEN WHITE

16 08 2009

A REUNIÃO EM CAMDEN

Narração: No tempo dos pioneiros adventistas, ainda não havia igrejas, as pessoas se reuniam em pequenos grupos. Devido ao desapontamento de 1844, muitos foram expulsos de suas igrejas originais. Por isso, as pessoas se reuniam em pequenos grupos nas casas dos “novos irmãos na fé”. Nessa ocasião, Ellen já era casada e era conhecida como Sra. White. Assim, num sábado de manhã, um bom grupo havia se reunido para o Culto em Camden…

CENA 1) A ENGANADORA

ELLEN) – “Irmã Brown, estão aqui todos os componentes de seu grupo?…” – pergunta
apreensiva, olhando ao redor.

IRMÃ. BROWN) – “Sim, Irmã White, presumo que sim…” – responde indecisa.

Narração: No entanto, a mulher que a Sra. White vira em visão morava a 6 Km de distância e a Sra. Brown não se lembrou dela. Mas, quando a mulher entrou, Ellen a reconheceu imediatamente como sendo a mulher cujo verdadeiro caráter o Senhor lhe havia mostrado…

ENGANADORA) – “Irmãos, aproveito a oportunidade para lhes dizer que tenho o perfeito amor e que desfruto de santidade de coração. Ressalto também que, pessoalmente não tenho provas, nem tentações e que desfruto de perfeita paz, submetendo-me plenamente à vontade de Deus!…”- diz confiantemente, colocando-se de pé para se destacar dos demais presentes à reunião.

Narração: Ellen White voltou da reunião para a casa do Ir. Preston, sentindo grande tristeza. Naquela noite, sonhou que se abrira diante dela um compartimento secreto, cheio de lixo…

CENA 2) O SONHO DO QUARTO CHEIO DE LIXO

VOZ) – “Ellen White, você deve limpar todo este lixo!” – VOZ SOLENE E GRAVE.

ELLEN) – “Este quarto pode ser ocupado com coisas de mais valor!…” – fala, removendo o lixo, à luz de
uma lanterna.

Narração: No domingo, pela manhã, reuniram-se com os irmãos. James White, [no Brasil ele é conhecido como Thiago White], esposo de Ellen, levantou-se para pregar sobre a parábola das dez virgens. Ele não se sentia à vontade para falar. Então, propôs que orassem…

CENA 3) A VISÃO DA MULHER ENGANADORA

THIAGO) – “Irmãos, de joelhos, falemos com Deus…” – fala ajoelhando-se para orar.

<TODOS OS IRMÃOS PRESENTES AJOELHAM-SE E CURVAM SUAS FRONTES>.

THIAGO) – “Amantíssimo, Deus, Senhor e Pai, estamos aqui de joelhos, implorando Sua presença e que
que purifique nossos corações de todo o mal e iniqüidade que ainda possa existir em nós!…” –
ora fervorosamente.

Narração: Neste momento, “a nuvem negra” foi removida e Ellen White foi arrebatada em visão, sendo lhe novamente apresentado o caso daquela falsa mulher. A mulher foi lhe mostrada em trevas completas. Estampava-se no semblante de Jesus Seu desagrado contra ela e seu marido. Aquele semblante terrível fez a Sra. White tremer em seu íntimo…

JESUS) – “Você e seu marido vivem em densas trevas. Sua vida é dissimulada e ímpia. Professas ter uma vida de santidade, ao passo que tens o coração corrompido!” – Fala com voz solene e grave.

<A FALSA MULHER E SEU MARIDO, DE CABEÇA BAIXA, EVITAM O OLHAR DE JESUS>.

CENA 4) A REVELAÇÃO DA VISÃO

ELLEN) – “Queridos irmãos, preciso revelar-lhes” fielmente o que o Senhor me mostrou em visão neste
momento em que orávamos!”- diz agitada e angustiada, levantando-se do chão.

<OS PRESENTES, LEVANTAM-SE E A ENCARAM ATÔNITOS…>

ELLEN) – “Foi-me mostrado que esta senhora agiu hipocritamente, professando santidade, ao passo que o
seu coração está totalmente corrompido!”- fala em tom solene, apontando para a enganadora.

ENGANADORA) – “Estou satisfeita por meu coração conhecer o Senhor. Ele sabe que O amo! Se tão-
somente meu coração pudesse se abrir para ser esquadrinhado, os senhores veriam
que é puro e limpo!… – “diz pausadamente, encarando Ellen e os presentes.

Narração: Alguns dos presentes vacilaram, tal foi convincente a explanação daquela falsa mulher… Eles não sabiam se deveriam crer no que o Senhor mostrara à Sra. White, ou permitir que as aparências pesassem contra o testemunho que a profetisa de Deus apresentara…

CENA 5) A CONTRAFAÇÃO

IR. PRESTON) –”Devemos acreditar na Sra. White! Ela diz a verdade! – fala exaltado, levantando-se em
direção à falsa mulher.

IRMÃ PRESTON) – “Não, espere! Não lhes faça mal…” – Diz, colocando-se entre os dois.

IRMÃ BROWN) – “Calma, Ir. Preston! A irmã parece ter um coração puro e nunca se viu um mau
testemunho dela nesta comunidade – diz, segurando o ombro do Ir. Preston.

Narração: Não muito tempo depois disso, apoderou-se desta mulher um medo terrível. O terror apoderou-se dela, a ponto de começar a confessar a todos os seus pecados. Chegou a ir de casa em casa entre seus vizinhos e irmãos incrédulos, para tentar aplacar sua consciência culpada.

CENA 6) O REMORSO DA FALSA MULHER

ENGANADORA) – “Por favor, abram a porta, preciso lhes confessar!”- grita desesperadamente, batendo à
porta.

<A IRMÃ PRESTON ABRE A PORTA ASSUSTADA…>

ENGANADORA) –”O homem com quem vivo durante anos não é meu marido… Eu fugi da Inglaterra, lá
deixei um bom esposo e meu filhinho… E aqui está a sua tigela que não havia lhe
devolvido antes, desculpe-me cara senhora…”- fala desesperada, retirando de um
saco uma tigela.

Narração: Ela também confessou muitos outros atos ímpios. Seu arrependimento parecia genuíno e em alguns casos, até restituiu o que havia tomado ilicitamente. Em resultado dessa experiência, os irmãos e irmãs em Camden, e seus vizinhos, ficaram plenamente firmados na crença de que Deus revelara à IRMÃ. White tudo o que ela havia relatado, e por misericórdia e amor lhes fora dada a mensagem para os salvar do engano e perigoso erro. Muitos podem estar se perguntando por que não foi dito o nome da falsa mulher e de seu esposo, talvez seja porque eles podem ser: VOCÊ, EU ou TODA A IGREJA que ainda não confiou no poder restaurador de Deus… Mas, lembrem-se que através deste testemunho, mais uma vez ficou firmada a palavra da Sra. White, a mensageira do Senhor!…

O SONHO DE ELLEN WHITE – Faukhead e as Sociedades Secretas

NARRAÇÃO) Ellen White passou por muitas experiências relacionadas com problemas secretos pessoais. E a experiência de N. D. Faulkhead em 1892 é uma clássica ilustração do ministério profético de Ellen White. Em 1891, o Sr. Faulkhead era tesoureiro da casa editora na Austrália [MÚSICA 12]

Senhorita) – Sr. Faulkhead, temos alguns problemas que precisam ser resolvidos quanto ao custo de alguns livros!

Faulkhead) – Agora não posso, senhorita. Preciso resolver problemas pessoais, não tenho tempo agora.

NARRAÇÃO) O que não se sabia da vida do Sr. Faulkhead era que ele ocupava elevadas funções em diversas sociedades secretas. E com o passar dos tempos ele ficou cada vez mais envolvido na maçonaria, e seu interesse na igreja diminuiu. [MÚSICA 12]

Senhorita) – Sr. Faulkhead, sobre aqueles problemas, eles estão se agravando e precisam ser solucionados…

Faulkhead) -Senhorita, tenho coisas mais importantes para me preocupar agora.

NARRAÇÃO) Em sua viagem para a Austrália, e logo após o desembarque, Ellen White teve uma visão abrangente que incluía a casa editora em geral e diversos testemunhos pessoais inclusive para os Faulkhead. [MÚSICA 06]

(VISÃO)
ANJO) – Veja, Ellen, como ele lança pequenas moedas nas ofertas de sábado e e grandes moedas na tesouraia das lojas maçônicas.
ANJO) – Veja e ouça… como ele é chamado de “Venerável Mestre”.

NARRAÇÃO) Ellen White preparou um testemunho pessoal para o Sr. Falkhead e… quando Ellen White saiu para colocar a mensagem no correio ela sentiu-se fortemente constrangida: [MÚSICA 05]

ANJO) “Ainda, não! Ainda, não! Eles não receberão seu testemunho”

NARRAÇÃO) [MÚSICA 05] E Ellen White reteve o testemunho por quase 12 meses. [MÚSICA 06] Passado esse tempo, Ellen White viu o Sr. Faukhead em visão.

(“Um homem prestes a perder o equilíbrio e cair num precipício.”)

NARRAÇÃO) Enquanto isso na casa editora os colegas de trabalho do Sr. Faukhead, percebendo seu crescente desinteresse pelo trabalho falam com ele. [MÚSICA 04]

Colega 1) – Irmão Faulkhead, você deve reconsiderar essa sua fascinação pela maçonaria.

Faulkhead) – Irmã, eu sei o que estou fazendo, tudo está bem. <voz tranqüila>

Colega 2) – Mas, isso está prejudicando seu trabalho.

Faulkhead) – Agradeço o interesse de vocês, mas afirmo que está tudo bem.

Narração) Não passado muito tempo o Sr. Faulkhead passou por uma experiência um tanto inusitada. Certo dia ele foi interpelado por um adventista sobre o que ele faria se Ellen White tivesse uma mensagem para ele. [MÚSICA 03]

Sr. Stockton) – Sr. Faulkhead, e se Ellen White tivesse um testemunho a seu respeito? O que o Senhor faria?

Faulkhead) – Ah, irmão esse testemunho teria que ser poderosamente forte!

NARRAÇÃO) O que eles não sabiam era que ela realmente possuía uma mensagem para o Sr. Faulkhead fazia quase um ano. Pouco tempo depois, o Sr. Faukhead teve um sonho. Ele sonhou que Ellen White queria falar com ele, pois tinha um testemunho para lhe dar. (imagem dele sonhando com Ellen White) Passados alguns dias ele foi se encontrar com ela. [MÚSICA 08]

Faulkhead) – Irmã White, a senhora tem alguma mensagem para mim?

Ellen) – Sim, eu tenho.

Faulkhead) – Me diga, eu preciso saber!

Ellen) -Irmão, eu proponho que nos encontremos num futuro próximo.

Faulkhead) -Por que não me deixa receber a mensagem agora?

assim proceder por que o tempo não era oportuno.

NARRAÇÃO) Mas, agora chegara o tempo de revelar-lhe o testemunho e Ellen White começou a ler um manuscrito de 50 páginas, especialmente o trecho que tratava do envolvimento dele com a maçonaria. [MÚSICA 02]

Ellen White) – Vi, também, irmão Faulkhead, como o Sr. lançara pequenas moedas nas ofertas de sábado e grandes moedas na tesouraria das lojas maçônicas. Ouvi, ainda, dirigirem-se a ti como venerável mestre.

NARRAÇÃO) Faulkhead pensou que ela estava se aproximando muito da realidade quando começou a falar-lhe sobre o que ele fazia nas lojas. Então algo aconteceu…

Ellen) – Não posso relatar tudo quanTo me foi comunicado.

<Neste momento Ellen White fez um sinal com a mão e faulkhead ficou pálido>

Faulkhead) – A Senhora sabe o que fez agora?

Ellen) – Mas, eu não fiz nada fora do comum!

Faulkhead) – Sim, a Senhora fez. Fez o sinal secreto dos “templários”.

Ellen) – Mas eu não sabia disso.

NARRAÇÃO) E Ellen White prosseguiu com o seu testemunho para Faulkhead: [MÚSICA 02]

Ellen) – É impossível, Sr., ser um cristão comprometido e ser um maçom. Meu anjo fez este sinal para mim.

Faulkhead) – Este é um sinal secreto conhecido apenas pelos elevados graus da maçonaria. Estou convencido, esse testemunho é de Deus.

NARRAÇÃO) Em seguida passou como um relâmpago pela mente do Sr. Faulkhead a lembrança da declaração que havia feito ao irmão Stockton de que a mensagem dela teria que ser poderosamente forte antes que ele pudesse crer que tinha uma mensagem do Senhor. [MÚSICA 02]

Faulkhead) – Sr. White procederei como o Senhor Deus deseja.

NARRAÇÃO) No dia seguinte , ele contou a seus colegas de trabalho como Deus havia lhe falado por intermédio de Ellen White.

Faulkhead) – Creio, irmãos, que Deus me deu uma mensagem e pretendo viver à luz do que Ele me orientou através da Irmã White.

Colega 2) – Conte conosco, Irmão Faulkhead.

Colega 3) – Conte conosco!

(Sr. Faulkhead sentado escrevendo)

NARRAÇÃO) A primeira coisa que o Sr. Faulkhead fez, foi pedir demissão às diversas lojas maçônicas. Mas, seus amigos maçons não disitiram facilmente, insistindo que ele estava na obrigação moral de cumprir seu mandato pelos próximos 9 meses. A luta foi difícil e os membros da igreja ficaram apreensivos por ele. No final dos 9 meses ele escreveu à Ellen White: [MÚSICA 10]

Faulkhead) – ” Como sou grato a Deus por me haver enviado uma advertência enquanto eu seguia no caminho errado. …Agora posso ver muito claramente que continuar daquele jeito teria sido minha ruína, visto meu interesse pela verdade estar definhando.” (SAI DE CENA)

NARRAÇÃO) Faulkhead continuou a trabalhar durante muitos anos na casa editora, sendo um influente líder espiritual na Austrália. Deus, mais vez demonstrou o profundo amor que tem pelo seu povo e firmou mais uma vez o ministério profético de Ellen White, a Mensageira do Senhor. [MÚSICA 01]

Personagens:

NARRAÇÃO) Elmo
ELLEN WHITE (IDOSA) Janaína
SR. FAULKHEAD) Augusto
ANJO) Jaciara
SENHORITA) Andréa
COLEGAS DA CASA EDITORA (2) : (1) Eliane; (2) Sandra
SR. STOCKTON) Ferreira

========================================

O MILAGRE DO COLÉGIO DE NEWBORN

(Narração) Um incidente na vida de Ellen White ilustra como foi ela providencialmente usada para ajudar a edificar os interesses do Reino de deus na Terra. Esta é a história de um sonho profético e de um donativo que ajudou a estabelecer um colégio adventista do 7º dia na Austrália. No coração desta história está o miraculoso poder operador de Deus revelado por intermédio de Sua mensageira, Ellen G. White. [MÚSICA 8]

(Narração) Estamos na Austrália, na grande cidade sulina de Melbourne, no ano de 1891. A irmã White, como é afetuosamente chamada pelos membros da igreja, chegou recentemente da América para orientar na expansão do movimento e está falando aos ministros presentes na sessão anual da Associação da Austrália.

CENA 1) A EXPANSÃO DA IGREJA ADVENTISTA NA AUSTRÁLIA

(Ellen White) Precisamos ter um colégio na Austrália. Um colégio com indústrias, agricultura e um programa educacional. Deve localizar-se na zona rural, numa fazenda. As verdades e os princípios bíblicos devem ser a base de toda instrução. Deve a natureza unir sua voz com as da escrituras para dar aos estudantes tanto o preparo espiritual como o prático.

(Dirigentes) Temos aqui cerca de 500 membros apenas, e como poderemos sustentar um colégio com esse número de crentes?

(Ellen White) precisamos ser corajosos, isto será no Poder de Deus.

(Dirigentes) Então vamos eleger um grupo para procurar um local para esse colégio singular. [MÚSICA 12]

(Narração) O grupo escolhido começou a fazer suas incursões pela Austrália em busca de um lugar adequado para o colégio, dias e meses estavam passando, e Deus mais uma vez revela seu profundo amor por seu povo comunicando-se com Ellen White numa visão noturna. [MÚSICA 06]

CENA 2) A VISÃO DO TERRENO ONDE SERIA CONSTRUÍDO O COLÉGIO E A VISÃO DO ANJO

(Narração) Ellen White foi transportada para um pedaço de terra que estava sendo considerado para um colégio. A terra era coberta de espessa floresta. Pareceu estar ela e seu grupo andando por entre as árvores. Nisto chegaram a uma pequena clareira. Nesta clareira havia uma parte do solo trabalhado por um arado de cerca de 1, 80m por 20 cm. Parecia que eles estavam olhando para a terra quando chegaram dois irmãos.

(irmão 1) Esta terra não é boa.
(Irmão 2) O solo não é favorável.

(Narração) Mas, eles não estavam sozinhos neste local. Ellen White viu em visão [MÚSICA 06] um anjo próximo ao pedaço de terra. Ele disse: Falso testemunho tem sido dado sobre esta terra. O anjo então descreveu as propriedades das diferentes camadas da terra e explanou a ciência do solo. Disse que a terra era admiravelmente apropriada ao cultivo de frutas e verduras, e que Deus poria uma mesa no deserto.

Após alguns meses de busca, a comissão escolhida informou a Sr. White, que haviam encontrado um pedaço de terra em Cooranbong, a 76 milhas ao norte de Sidney, em Nova Gales do Sul. [MÚSICA 10]

CENA 3) COMISSÃO ESCOLHIDA PARA PROCURAR O TERRENO DO COLÉGIO

(irmão 3) Achamos um lugar e gostaríamos que a senhora fosse ver conosco.
(irmão 4) O custo, irmã, é de 5 mil dólares e o tamanho de + ou – 1.500 acres. A Senhora não gostaria de vir conosco?
(Ellen White) Claro que irei!

(Narração) Passado Ellen White partiu com vários obreiros para uma viagem de 79 milhas por estrada de ferro até a pequena estação de Dora Creek. Durante esta viagem Ellen White contou-lhes sobre a visão que havia tido vários dias antes. [MÚSICA 08]

Narração) [MÚSICA 12] Quando chegaram à propriedade Ellen White descansou um pouco perto de um pequeno fogo enquanto os obreiros se espalhavam para ver a terra. Posteriormente, na parte da tarde, ela começou a inspecionar a propriedade. Na companhia de um ministro amigo e sua esposa, ela começou a caminhar pela floresta de grandes eucaliptos. E logo chegaram a uma clareira. Perto do centro viram o pedaço de chão arado. Então apareceram 2 homens. [MÚSICA 04]

CENA 4) A VISÃO TORNA-SE REALIDADE

(Homem 1) Esta terra não é boa. O solo não é favorável.
(Homem 2) Ela é arenosa e acre, não vale praticamente nada.

(Narração) Os que ouviram a irmã White relatar sua visão não puderam evitar olhar para ela e interrogativamente.

(Pr.) Bem, irmã White, não vai repetir-lhes o que o anjo disse?

(Narração) e a irmã White o fez.

(Sra. White) Falso testemunho tem sido dado sobre esta terra. Deus pode estender uma mesa no deserto.

(Mulher do Pr.) Certamente o Senhor nos conduziu a este lugar!

(Narração) À noite o grupo tomou o voto de comprar a propriedade como o local do novo colégio da Austrália.
[MÚSICA 09]
( todos reunidos para o culto com a presença do irmão McCullagh )
Na manhã seguinte, ao se reunirem os visitantes para o culto, alguns estavam ainda desassossegados. Não tinham a certeza de haverem tomado a decisão certa. Neste momento a irmã White sentiu-se impressionada a suplicar a Deus a cura para o irmão McCullagh, membro ativo da comissão local e que estava morrendo de tuberculose.

CENA 5) VOTO PARA COMPRAR A PROPRIEDADE PARA O NOVO COLÉGIO DA AUSTRÁLIA

( O irmão McCullagh se levanta sem mais tossir )
(Irmão McCullagh) Sinto-me bem. Foi como se um choque elétrico tivesse percorrido meu corpo. Estou bem.

(Narração) Ao testemunharem este milagre os obreiros adquiriram a certeza de que Deus os guiara na decisão de comprar a terra. Decisão que foi confirmada na sessão seguinte da União-Associação Australiana, em 20 de novembro de 1894.
Por esse tempo a Srª. Weasels, da África do Sul, acompanhada de sua filha Ana e o esposo dela, Harmon Lindsay, visitaram o local da nova escola de Cooranbong. Ficaram impressionados com o que viram e ouviram.

CENA 6) MILAGRES CONFIRMAM QUE DEUS ESTÁ AO LEME

(Irmão 3) É… aconteceu exatamente da forma como ela viu em visão. O local, a terra arada, os dois homens e o que eles disseram. E no dia seguinte a cura do irmão McCullagh, que está vivo e bem de saúde até hoje. E sentiram que a mão de Deus estava guiando.

(Ana Lindsay) Faço uma doação de 5 mil dólares para o empreendimento.

(Narração) …e assim o fez. Este donativo deu para pagar a terra e foi o terceiro milagre na fundação do Colégio Missionário da Austrália. Talvez o maior milagre tenha sido o sucesso fora do comum alcançado no setor de agricultura. O solo provou-se fértil e produtivo, superando as melhores expectativas dos pioneiros da escola.

Assim foi fundado um colégio na Austrália. COMO?
Por uma visão à noite, pela oração, por um donativo do amor e pelo duro trabalho dos que creram que Deus estava dirigindo a obra. Após muita ansiedade e muitos dias de fervente trabalho e fé, esta escola foi formalmente aberta. Hoje após mais de meio século de serviço este colégio cristão está ainda operando. Centenas de graduados servem à Causa como ministros, professores, missionários. Muitos têm procurado especialização e tornam-se médicos e médicos missionários. [MÚSICA 01]
Aqui vemos a clara evidência de como Deus, para guiar seu povo do advento, usou Ellen White, a mensageira do Senhor.

NARRADORA: Andréa; ELLEN WHITE: Janaína; DIRIGENTE 1, Ir. 3 e PASTOR: Xinô; DIRIGENTE 2, Ir. 4 e Esposa do Pr.: Ana Patrícia; IRMÃO 1: Augusto; IRMÃ 2: Ana Cristina; Ir. MCCULLAGH: Tarcísio; ANA LINDSAY: Jaciara.

Enviada para a CDJA por: Lidia Braga


Ações

Information

2 responses

25 10 2009
Romario Celso

bom vai ser o primeiro encontro de jovem q eu vou, eu vou gosta vai ser muito bom.

4 10 2010
kleber candido

a um tempo que procuro me informar sobre a maçonaria.
amei oque a senhora wieth escreveu. foi muito util para min.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: